Reprodução
Reprodução

Executivo brasileiro de transmissão de TV é condenado por corrupção na Fifa

Empresário José Lázaro Margulies é punido com a pena em liberdade condicional por dois anos

Redação, Estadao Conteudo

21 de janeiro de 2020 | 15h20

Um juiz federal do Brooklyn, em Nova York, nos Estados Unidos, condenou o empresário brasileiro José Lázaro Margulies à uma pena de dois anos, mas em liberdade condicional. A sentença saiu nesta terça-feira. Ele atuou como intermediário em um esquema de troca de suborno pelos direitos de transmissão de partidas de futebol para canais de televisão sul-americanos.

De acordo com a juíza Pamela K. Chen, José Margulies, de 80 anos, participou de uma "conspiração maciça em todo o mundo" entre 1991 e 2015, em que teria recebido US$ 80 milhões (cerca de R$ 256 milhões) em propinas. "Este é um crime sério", disse a magistrada, ao afirmar que tal conduta fez parte do "escândalo da Fifa, que "destruiu a credibilidade do futebol profissional".

No início das investigações, sempre que fora procurado pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos, José Margulies jamais assumira ter intermediado pagamentos ilegais quando trabalhava com a venda de direitos de transmissão para a empresa de marketing esportivo Traffic, do também empresário José Hawilla, morto em maio de 2018.

José Margulies trabalhou por mais de 20 anos ao lado de J.Hawilla, que se declarou culpado de diversas acusações envolvendo extorsão, lavagem de dinheiro, fraude e outros delitos.

Este ano, José Margulies foi para os Estados Unidos e aceitou colaborar com os investigadores. "Eu sabia que o que estava fazendo estava errado", disse o empresário, acrescentando que não havia ninguém para culpar além de si mesmo.

Além da condenação, José Margulies também foi proibido de trabalhar com esportes, televisão e marketing. Ele já pagou mais de US$ 9 milhões (R$ 37,8 milhões) ao governo dos Estados Unidos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.