REUTERS/Brendan McDermid
REUTERS/Brendan McDermid

Executivo da Traffic USA se declara inocente e nega subornos

Aaron Davidson é presidente da empresa e amigo de J. Hawilla

Estadão Conteúdo

29 de maio de 2015 | 20h49

O executivo norte-americano Aaron Davidson, presidente da Traffic Sports USA e parceiro do brasileiro J. Hawilla, declarou-se inocente da acusação de extorsão e corrupção feita pela Justiça dos Estados Unido. Ele apresentou sua declaração, por meio de um advogado, à corte federal do Brooklyn, em Nova York.

Assim, ele é o primeiro acusado que responde formalmente em uma corte dos Estados Unidos desde que o escândalo de corrupção envolvendo altos dirigentes da Fifa, da Conmebol e da Concacaf foi deflagrado, na quarta-feira.

Aaron Davidson está suspenso na Fifa e na Liga de Futebol da América do Norte, do qual era presidente. A empresa comandada pelo americano é proprietária do time Carolina RailHawks, que disputa a segunda principal liga do futebol dos Estados Unidos.

A Traffic Sports USA tem sede em Miami e se dedica a promover eventos de futebol na América do Norte, América Central e no Caribe. Davidson é parceiro de J. Hawilla, fundador da Traffic, empresa de marketing esportivo. O brasileiro confessou quatro crimes à Justiça americana: extorsão, conspiração por fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça.

A acusação contra Davidson é de que ele pagou 3 milhões de dólares a um dirigente de nome não revelado, vice-presidente da Fifa e membro do comitê executivo da entidade em 2012. O suborno gerou um contrato de 24 milhões de dólares para a empresa de Davidson, que adquiriu os direitos de transmissão das Eliminatórias da Copa.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolcorrupçãoFifaTrafficCBFFBI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.