Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Experiência vence a juventude e Corinthians bate o São Paulo no Pacaembu

Alvinegro leva a melhor sobre o tricolor no primeiro clássico do Campeonato Paulista em 2018

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2018 | 19h00

Em um jogo muito equilibrado e com duas equipes dispostas a buscar a vitória, o entrosamento e a experiência venceram a correria e a juventude e o Corinthians derrotou o São Paulo por 2 a 1, no Pacaembu, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. Jadson e Balbuena marcaram os gols para o time corintiano e o garoto Brenner descontou para o tricolor. 

+ TEMPO REAL - Corinthians 2 x 1 São Paulo

+ TABELA - Classificação completa do Paulistão

O clássico, embora tenha sido disputado apenas na quarta rodada do Estadual e em um momento que os times ainda deveriam estar fazendo pré-temporada, serviu para mostrar a diferença das equipes em relação a organização e disposição tática. O Corinthians organizado, com os jogadores sabendo claramente o que precisam fazer em campo. Do outro lado, o São Paulo aposta na correria de seus garotos e na bola cruzada para a área, em busca de Diego Souza.

Tal organização e consciência tática corintiana ficou clara nos primeiros segundos de jogo. Com pouco mais de um minuto de jogo, após bela troca de passes, Clayson passou para Rodriguinho, que tocou na medida para Jadson. O meia entrou em velocidade e sem que nenhum são-paulino o acompanhasse, avançou e bateu com categoria na saída de Sidão. Um belo gol no Pacaembu. 

O São Paulo, assustado, decidiu apostar tudo em Marcos Guilherme e Militão, que na velocidade, apareceram bastante pelo lado direito tricolor. Fábio Carille várias vezes gritou e deu bronca no lateral-esquerdo Juninho Capixaba. Foi em uma dessas jogadas que o empate foi alcançado, mas antes, Shaylon arriscou um raro chute de fora da área – algo que a equipe de Dorival pouco fez – e acertou a trave. 

+ Balbuena curte fase artilheira no Corinthians e Carille torce por renovação

+ Carille explica que questões físicas fizeram ele escalar Kazim no clássico

No minuto seguinte, aos 25, Marcos Guilherme cruzou da direita, todo mundo ficou olhando, inclusive Cássio, e o jovem Brenner, de apenas 18 anos, bateu firme e deixou tudo igual. A impressão é que o Corinthians não se abateu com o empate. Manteve o toque de bola e a busca pelos espaços deixados pela defesa são-paulina, que foram muitos. 

Então, o Corinthians usou uma de suas armas, que desde o ano passado tem sido muito útil: o cabeceio de Balbuena. Sempre que vai para a área adversária, o paraguaio é um perigo para o adversário e neste sábado não foi diferente. Aos 32, Clayson cobrou escanteio e o capitão corintiano subiu bonito para cabecear com uma força que parecia um chute. Sem chances para Sidão. 

No segundo tempo, o São Paulo tentou diminuir o ritmo de jogo e ficar mais com a bola no pé, na espera por uma brecha na defesa corintiana, que nunca aparecia. Quando conseguia recuperar a bola, o Corinthians chegava com mais facilidade, mas faltava alguém para finalizar. Kazim, de novo, nada fez além de se lamentar e brigar com a bola. No lado tricolor também faltou um goleador. Ele até estava em campo, Diego Souza, entretanto, teve uma atuação muito discreta. Algo que serviu para reforçar a necessidade da equipe de Dorival em contratar mais opções para o ataque. Por isso, a diretoria acertou a contratação de Tréllez, do Vitória, que passará por exames médicos e deve ser confirmado na segunda-feira.

+ Antero Greco - Corinthians e SP repetem roteiros 

+ Jogadores do São Paulo culpam 'detalhes' por derrota para o Corinthians

O tempo ia passando e os treinadores tiveram que apostar em seus bancos de reservas. Outra grande diferença. Dorival não tinha muita coisa para fazer, além de colocar garotos. Entraram Caíque – que fez seu terceiro gol no profissional - e Paulinho – em campo pela segunda vez - , ambos com 19 anos, nos lugares de Brenner e Shaylon. Já Carille respondeu com as entradas de Júnior Dutra, um dos destaques do Avaí no ano passado e que, com 29 anos, está acostumado a jogar clássicos. Depois, colocou Maycon, de apenas 20 anos, mas com a experiência de ter sido titular na maior parte da temporada passada. 

Paulinho entrou bem no jogo e deu tanto trabalho no lado direito são-paulino, que Carille precisou tirar Juninho Capixaba, pois viu que seu lateral-esquerdo não estava conseguindo dar conta do recado. Apesar de todo esforço do garoto, o São Paulo não conseguiu superar o equilibrado Corinthians. Festa da torcida corintiana, ao som de “o freguês voltou”, lembrando que a equipe alvinegra tem conseguido melhores resultados nas últimas partidas contra o rival tricolor.

FICHA TÉCNICA

CORINTHIANS 2 x 1 SÃO PAULO

CORINTHIANS: Cássio; Fagner, Balbuena, Pedro Henrique e Juninho Capixaba (Guilherme Romão); Gabriel, Romero, Rodriguinho (Maycon), Jadson e Clayson; Kazim (Júnior Dutra). Técnico: Fábio Carille.

SÃO PAULO: Sidão; Militão, Rodrigo Caio, Anderson Martins e Edimar (Reinaldo); Jucilei, Petros, Shaylon (Paulinho), Marcos Guilherme e Brenner (Caíque); Diego Souza. Técnico: Dorival Júnior.

GOLS: Jadson, aos 2, Brenner, aos 25, e Balbuena, aos 32 minutos do 1º tempo.

CARTÕES AMARELOS: Romero, Jucilei, Diego Souza, Gabriel, Júnior Dutra, Petros e Jadson.

PÚBLICO: 31.972 pagantes.

RENDA: R$ 1.278.027,50.

JUIZ: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza.

LOCAL: Pacaembu, em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.