Expulsão de checo é decisiva em jogo equilibrado

A expulsão do meia Polak, aos 46 minutos do primeiro tempo, foi decisiva para que a Itália batesse a República Checa por 2 a 0 e conseguisse a classificação para as oitavas-de-final com o primeiro lugar do Grupo E.O jogo teve muitas disputas bruscas e exigiu força física das duas equipes. Com um jogador a menos, os checos não suportaram o ritmo acelerado e perderam a capacidade de reação. Apesar dos muitos encontrões em campo, o juiz mexicano Benito Archundia deixou o jogo correr: marcou poucas faltas - 18 contra os checos e 17 contra os italianos - e deu apenas três cartões: Gattuso, por falta em Nedved; Polak, por falta em Camoranesi; e novamente para Polak, por entrada dura em Totti.Apesar de ter nos chutes de fora da área sua principal arma para buscar o empate, a seleção checa acabou a partida com menos finalizações que os italianos - 11 contra 14 -, embora tenha apresentado pontaria bem calibrada: foram 8 finalizações contra o gol de Buffon, que defendeu todas, enquanto apenas 6 chutes italianos tiveram o endereço certo.O zagueiro Materazzi, que abriu o placar com uma cabeçada certeira, foi eleito pela Fifa como o melhor jogador em campo - isso depois de ter entrado aos 17 minutos do primeiro tempo, no lugar do contundido Nesta.Veja abaixo as estatísticas do jogo:Finalizações: República Checa, 11; Itália, 14 Finalizações certas: República Checa, 8; Itália, 6 Faltas cometidas: República Checa, 18; Itália, 17 Cartões amarelos: República Checa, 0; Itália, 1 Cartões vermelhos: República Checa, 1; Itália, 0 Escanteios: República Checa, 4; Itália, 5 Impedimentos: República Checa, 1; Itália, 1 Posse de bola: República Checa, 48%; Itália, 52% Melhor jogador da partida: Materazzi (Itália)(Com fifaworldcup.com)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.