Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Expulsões deixaram primeira impressão ruim, diz Michel Bastos

Meia levou dois vermelhos em seus primeiros jogos e precisou trabalhar para apagar a fama de violento

Fernando Faro, O Estado de S. Paulo

19 de janeiro de 2015 | 16h33

A versatilidade de Michel Bastos com a camisa do São Paulo só foi esquecida quando o meia se envolveu em expulsões depois de lances polêmicos. Em um jogo contra o Figueirense, ele esticou o pé após uma dividida com o lateral Leandro e quase acertou o rosto do rival. Já em partida contra o Flamengo, deu um carrinho violento em Everton e levou o vermelho direto.

Para o jogador, os lances foram os únicos momentos a serem apagados na temporada passada. Contratado em agosto, ele rapidamente se encaixou no time e rapidamente virou o "12º titular" de Muricy Ramalho, em muitos momentos com atuações superiores às do badalado Kaká.

"A única coisa negativa na chegada no São Paulo foram as expulsões, coisas que nunca tinham acontecido na minha carreira. Muitos não me conheciam bem e ficaram com uma impressão ruim que acabou me prejudicando", analisou o jogador, que herdou a vaga no time do camisa 8.

As expulsões infantis renderam até uma reprimenda pública de Muricy Ramalho. Preocupado com a imagem deixada, o polivalente meia começou a trabalhar para virar o jogo e mostrar que os lances foram apenas fortuitos. Deu certo. Os vermelhos sumiram e Michel Bastos conseguiu terminar o ano como uma das principais peças da equipe, o que deixou o balanço do ano bastante positivo.

"Botei na minha cabeça que era uma coisa que eu precisaria trabalhar para fazer as pessoas esquecerem. Isso felizmente passou e serviu de aprendizado. Tirando isso, gostei muito dos meus primeiros cinco meses no clube e quero trabalhar para manter esse nível", enfatizou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSão Paulo FCMichel Bastos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.