Twitter / Reprodução
Twitter / Reprodução

FA investiga West Ham após declaração de dirigente contra jogadores africanos

Clube afastou Tony Henry, que disse que atleta da África causam caos e têm atitude ruim

Estadão Conteúdo

01 de fevereiro de 2018 | 12h58

A Associação de Futebol da Inglaterra (FA, na sigla em inglês) confirmou nesta quinta-feira que abriu uma investigação contra o West Ham após um diretor responsável pelo recrutamento de jogadores para o clube ter declarado que a equipe londrina não pretende mais contratar jogadores africanos.

+ Porto acusa Fabio Coentrão de racismo contra atacante em clássico com o Sporting

+ Inter de Milão negocia português João Mario com o West Ham por empréstimo

Tony Henry afirmou que as restrições ao recrutamento de atletas da África foi adotada pela diretoria do West Ham porque "eles têm uma atitude ruim" e "causam caos" quando não estão no time, de acordo com um e-mail enviado por ele e relatado pelo jornal Daily Mail. Mas ele garantiu que a política adotada pelo clube não têm "nada contra a raça africana".

Após a publicação da reportagem, o West Ham anunciou que suspendeu Henry enquanto realiza "uma investigação completa", mas agora o clube e o dirigente também se tornaram alvos das autoridades do futebol da Inglaterra.

"O West Ham United não tolerará qualquer tipo de discriminação e, portanto, agiu rapidamente devido à natureza séria dessas afirmações", afirmou o clube do Leste de Londres em um comunicado. "A família West Ham United é inclusiva, independentemente do sexo, idade, habilidade, raça, religião ou oriental sexual, onde todos devem se sentir bem-vindos e incluídos".

Diante da decisão do West Ham de suspender o dirigente, o sindicato dos jogadores afirmou que a rapidez da decisão tomada pelo clube foi "encorajadora". "Nós confiamos que eles irão lidar com isso de acordo com a posição do futebol em todas as questões de igualdade e antirracismo", afirmou a associação.

O West Ham conta nesse momento com dois jogadores africanos no seu elenco: o atacante senegalês Cheikhou Kouyaté e o ganês André Ayew. E o jogador de Senegal fez uma publicação no Instagram após a polêmica envolvendo a diretoria. "Africano e orgulhoso", escreveu.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolracismoWest Ham United

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.