Fabão pediu para não jogar por ficar de fora em coletivo

O Santos disputou na tarde deste domingo um amistoso contra a Portuguesa Santista, no Estádio do Pacaembu, e a ausência de Fabão foi o destaque negativo da partida. Após a vitória por 2 a 1, com dois gols de Kléber Pereira, a diretoria santista admitiu que a decisão de não jogar partiu do próprio zagueiro, mas ainda não era conhecido o motivo do pedido de dispensa. O problema teve origem ainda na última sexta-feira, quando Fabão ficou irritado ao ser tirado até do time reserva no treino coletivo, no CT Rei Pelé. O jogador reclamou muito durante alguns minutos no banco e, depois de jogar o colete, continuou protestando nos vestiários. Foi essa a razão para que o zagueiro pedisse para não fazer parte do amistoso, oportunidade em que todo o elenco para a temporada 2009 foi apresentado. "Ele sentiu que não seria titular e pediu para ficar fora. Vamos tentar fazer um acordo que seja bom para as partes", disse o supervisor de futebol, Ocimar Bolicenho, no domingo. Fabão chegou ao Santos ainda em fevereiro de 2008, mas nunca foi unanimidade no clube. Chegou a atuar algumas vezes como titular, e terminou o ano de 2008 na reserva. A saída do jogador seria parte do plano santista de reduzir a folha de salários do futebol. Além de ter uma comissão técnica considerada barata, com Márcio Fernandes à frente, jogadores como o paraguaio Cuevas e o lateral Kléber estão de saída. O atacante, que ganhava quase R$ 200 mil mensais, já aceitou a rescisão contratual, e Kléber, que ganharia R$ 280 mil por mês, deve ir para o exterior. Fabão era mais um que dava despesas acima do desejado no Santos, ganhando quase R$ 200 mil entre luvas, aluguel do passe e salário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.