Fabiano estréia pegando pênalti e São Paulo empata no Rio

Com uma bela defesa contra o Fluminense, goleiro são-paulino de 19 anos evita 4.ª derrota seguida

13 de outubro de 2007 | 18h03

No Maracanã, o Fluminense perdeu um pênalti e acabou não passando de um empate por 1 a 1 com o São Paulo, na tarde deste sábado. E quem era motivo de desconfianças antes da partida, o goleiro Fabiano, de apenas 19 anos, defendeu uma penalidade batida pelo ex-são Paulino Gabriel e salvou sua equipe da quarta derrota seguida. O primeiro tempo foi amplamente dominado pelo Fluminense, mas o time carioca pecava no último passe, e deu apenas um chute realmente perigoso, aos 18 minutos, quando o lateral-esquerdo Gabriel acertou uma bomba no canto esquerdo de Fabiano, e o jovem goleiro que substitui o ídolo Rogério Ceni, contundido, fez uma belíssima defesa. Tudo se encaminhava para que a partida chegasse Ao intervalo em um empate sem gols, mas numa jogada rápida aos 33 minutos, Adriano Magrão - que havia substituído Somália, que saiu de campo com um lesão no joelho direito - apareceu na cara do gol. Fabiano nada pôde fazer a não ser a falta, e o árbitro Ricardo Ribeiro não teve dúvidas: pênalti. O meia Thiago Neves bateu forte no meio do gol e abriu o placar em favor dos donos da casa. O São Paulo não produziu praticamente nada, e insistia na ligação direta entre defesa e ataque. Miranda dava chutões para frente na esperança de que Aloísio fizesse alguma coisa, mas a defesa do Fluminense não deu chances. Na única jogada em que o setor defensivo da equipe carioca falou, aos 43, Leandro acertou uma cabeçada à queima roupa, mas o goleiro Fernando Henrique, no puro reflexo, salvou seu time.  Porém, as falhas nas jogadas no alto por parte da defesa do time da casa viriam logo ser a causa do empate são-paulino. Logo aos seis minutos do segundo tempo, Breno cabeceou forte e Fernando Henrique deu rebote, e André Dias, sozinho, só teve trabalho para tocar a bola para o fundo das redes. O gol de empate acendeu o São Paulo, que mudou da água para o vinho e passou a tocar mais a bola e pressionar bastante o Fluminense, que, acuado, passou a fazer o que o adversário fazia no primeiro tempo: chutões da defesa direto para o ataque.Fluminense1Fernando Henrique; Gabriel, Thiago Silva, Luiz Alberto     e Ivan; Fabinho (Cícero), Romeu (Soares), Arouca     e Thiago Neves    ; Alex Dias e Somália (Adriano Magrão)Técnico: Renato GaúchoSão Paulo1Fabiano    ; Breno, André Dias e Miranda; Jackson (Fernando), Hernanes    , Júnior, Leandro e Jorge Wagner; Diego Tardelli (Thiago) e Aloísio         Técnico: Muricy RamalhoGols: Thiago Neves, de pênalti, aos 33 minutos do primeiro tempo; e André Dias, aos seis minutos do segundo tempoÁrbitro: Ricardo Ribeiro (MG)Renda: R$ 577.990,00Público: 32.406 pagantesEstádio: Maracanã E parecia que nada mais ia dar certo para a equipe carioca. Gabriel, que já foi jogador do São Paulo, cavou um pênalti aos 20 minutos. O juiz caiu na dele e marcou, mas o próprio Gabriel bateu e Fabiano, estreando na meta são-paulina, defendeu de forma espetacular. Mas aos 29 minutos o time paulista sofreu um grande golpe. Aloísio, que havia levado um cartão amarelo por simulação de pênalti no começo da segunda etapa, fez uma falta boba, foi punido com mais um amarelo e saiu de campo expulso. Com um homem a mais, Renato Gaúcho colocou o atacante Soares no lugar do volante Romeu, e gritou para o Fluminense ir para frente e tentar a vitória a qualquer custo. Mas a pressão foi mais na base da vontade do que da técnica e não foi produtiva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.