Fábio Baiano troca Santos pelo Atlético-MG

O meia Fábio Baiano foi liberado pelos médicos do Santos e até poderia jogar domingo contra o Coritiba, mas hoje não participou do treino. Ao invés de ir para o campo, foi para a sala do gerente de futebol Luís Henrique de Menezes tratar de sua transferência para o Atlético-MG. O clube não confirma a perda do jogador, nem as condições das negociações com o atleta que tinha contrato até o final do ano, mas foi liberado. Confirmada a saída de Fábio Baiano, será o terceiro jogador a deixar a Vila Belmiro desde que Gallo assumiu o comando do time. Antes, Antônio Carlos e Fernando Diniz haviam sido dispensados. Mas as saídas podem não parar aí. Hoje, Robinho comentou que só vai pensar numa transferência para o futebol europeu em julho, enquanto o lateral-esquerdo Léo revelou que, havendo uma boa proposta do exterior, pode deixar o Santos no meio do ano, já que seu contrato prevê a possibilidade de rescisão sem o pagamento de multa. Os jornalistas perguntaram a Robinho o que ele tinha a dizer da declaração do presidente Marcelo Teixeira de que ele ficaria na Vila até a Copa do ano que vem. Sua respostas: "não quero comentar sobre propostas e falei que só ia falar nisso em julho, pois o meu foco está na Libertadores e no Brasileiro". Diante da insistência sobre o assunto, comentou: "tem que perguntar para ele o que ele falou, mas é o nosso presidente, paga nosso salário e todos nós jogadores temos um carinho muito grande por ele, que sempre nos tratou muito bem aqui e tem total confiança em meu futebol". Robinho quer afastar as especulações para ter tranqüilidade para continuar jogando seu futebol. "Vocês sabem como são as coisas: amanhã posso jogar mal e vão ficar falando que estou com a cabeça no Real Madrid ou em algum outro clube europeu". LÉO - O lateral-esquerdo Léo cogita de sair do Santos no meio do ano, já que seu contrato faculta uma transferência sem o pagamento de multa. "Se aparecer alguma coisa concreta muito boa, com certeza vou embora", disse. Segundo o jogador, tudo tem que ser muito pensando, até mesmo a possibilidade de novas convocações para a seleção. "Na Europa há um mercado mundo bom, todo mundo está vendo e é uma oportunidade para eu ter uma experiência internacional". E completou: "se acontecer mesmo, vai ser bom para mim". Léo comentou que vem esperando essa chance de jogar no exterior há muito tempo. "Sempre pensei em realizar esse sonho de ter uma bagagem internacional e se aparecer uma coisa boa, vou embora". Outro sonho ele realizou na quarta-feira, jogando pela seleção brasileira, mas não se ilude muito com isso: "soube lá na seleção que eu sou o 12º lateral, tem 11 na minha frente". Essa é uma dificuldade a mais e Léo ponderou: "só que estou aqui no Brasil e ele (Parreira) está vendo". O lateral explicou que procurou jogar de uma maneira tática diferente, como o treinador da seleção gosta. "Procurei me resguardar mais na defesa, que é uma coisa que o Parreira questionava bastante e trabalhei para tirar proveito disso, na marcação dando suporte para os zagueiros e para os volantes". Analisando sua atuação, acredita que fez isso muito bem. "Na frente, ele sabe o que posso fazer, mas na defesa havia alguns questionamentos e ontem deu para acabar com essa coisa de que eu atacava muito e deixava espaço atrás". Para chegar a essa mudança tática, ele disse que sempre viu como o Roberto Carlos atua na seleção. "Ele só vai na boa e eu procurei só sair na boa".

Agencia Estado,

28 Abril 2005 | 19h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.