Ivan Storti/Santos FC
Ivan Storti/Santos FC

Fábio Carille aposta em semana livre para ajustar Santos e reencontrar vitórias

Time praiano ainda não marcou com seu novo comandante e só volta a campo no próximo domingo, diante do Juventude

Redação, Estadão Conteúdo

19 de setembro de 2021 | 11h08

O Santos só volta a campo no próximo domingo, em compromisso contra o Juventude pelo Brasileirão. Até lá, o técnico Fábio Carille promete fortes trabalhos para conseguir ajustar o time e acabar com o incômodo jejum de nove jogos sem vitórias e a consequente aproximação da zona de rebaixamento.

O treinador substituiu Fernando Diniz faz três partidas, mas ainda não conseguiu comemorar um único gol sob seu comando. Foram dois empates sem gols contra Bahia e Ceará e derrota por 1 a 0 para o Athletico-PR. O novo comandante "culpa" a falta de tempo para não impor seu estilo.

Seguindo tal linha de raciocínio, Carille festejou a semana livre e promete aproveitá-la ao máximo para recolocar o Santos nos trilhos. "(temos urgência de vitórias), são muitos jovens, mas com tranquilidade vamos melhorar. É uma responsabilidade minha fazer o time jogar melhor, mas para isso preciso de trabalho. Essa semana será fundamental para que melhore o Santos", garante o treinador. "Vou comandar treino de terça a sábado para conhecer melhor os jogadores."

Diante do Ceará, o Santos entrou em campo com três zagueiros e foi bem no confronto. Não ganhou por causa do escorregão de Marinho na cobrança de um pênalti. Com 24 pontos, o Santos tem apenas três a mais que o América-MG, primeiro da zona de rebaixamento, o que vem incomodando bastante. Acabar com a queda livre virou obrigação. E com urgência.

Os poucos dias de trabalho, porém, já rendem elogios de Carille à evolução apresentada. "Nosso time está vertical. Gosto de controlar mais o jogo, de encher o campo adversário para atacar com mais gente. Temos de mudar corredor, agredir mais e assim teremos mais presença de área para criar e finalizar mais", avalia.

Na visão do técnico, a armação é o ponto principal a ser ajustado. Questionado sobre qual sua prioridade, ele não se esquivou. "O setor de construção. (Temos de) construir bem para chegar com mais qualidade. Dando cuidado defensivo para continuarmos sólidos, mas construirmos mais desde o goleiro", exemplifica. "Finalização passa por construção. E vou trabalhar por mais criação, infiltrações e triangulações."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.