Fábio Costa desgasta imagem no Corinthians

Fábio Costa está com futuro indefinido no Corinthians. No início do ano era apontado como a principal contratação da equipe para a temporada. Porém, bastaram dois meses para que suas facetas mais preocupantes - o desequilíbrio emocional e o impulso violento - se manifestassem. Entre dirigentes e parte dos conselheiros mais influentes, muitos já questionam o custo benefício de manter no grupo, ainda mais em uma posição especial como a de goleiro, um jogador que vive na iminência de perder a cabeça.A gota d?água para que a situação do atleta começasse a ser estudada aconteceu nesta sexta-feira pela manhã. Em apenas 30 minutos Fábio Costa conseguiu se envolver em três confusões. Tudo começou com uma discussão entre ele e o treinador de goleiros Solitinho. Alegando estar com dores no pé, o jogador se recusava a cumprir algumas determinações. Resultado: bate-boca. Foi necessária a intervenção do técnico Oswaldo de Oliveira para acalmar os ânimos. Apenas no treino deste sábado Oswaldo decidirá se contará ou não com o goleiro na partida de domingo contra a Portuguesa Santista, às 16 horas, no Pacaembu.Terminado o treino, Fábio Costa, como de costume, recusou-se a dar entrevistas. Talvez para evitar o desgaste e o constrangimento naturais que surgiriam quando o assunto fosse levantado. Porém, sua iniciativa fracassou. Se conseguiu fugir da imprensa, o mesmo não ocorreu com a torcida.Ao passar com seu Astra cinza pelo portão do estacionamento da Vila Olímpica, local onde os torcedores ficam concentrados em busca de autógrafos, o goleiro ouviu o seguinte comentário. "Do Fábio Costa eu não quero autógrafo porque ele não está jogando nada. Quando começar a jogar, eu peço o autógrafo." O autor da frase foi Diego Maia, de 18 anos. O goleiro, então, revoltou-se. Saiu do carro e só não agrediu o torcedor porque foi contido por seguranças. Enquanto isso, outros funcionários do clube conduziam Maia para fora do local.Enfurecido, Fábio Costa voltou para o veículo e acelerou. Quando todos imaginavam que iria embora, parou poucos metros adiante para mexer no motor. Nesse momento, o fotógrafo da Agência Estado, Sebastião Moreira, que estava no local a fim de registrar o incidente com o torcedor, aproximou-se. Pronto, foi o suficiente para reacender a revolta do goleiro corintiano. Com palavras de baixo calão, xingou o profissional e, novamente, acabou contido por seguranças. Ao voltar para o carro, acelerou forte e, deliberadamente, atirou-o em direção a um grupo de pessoas, formado por jornalistas e torcedores. Um salto para traz de todos evitou acidente mais sério.Ao passar pelo portão, Fábio Costa percebeu que Maia ainda estava ali discutindo com funcionário do Corinthians. "Ele me disse que me conhece e que vai me pegar lá no Parque São Jorge", relatou o torcedor.Promoção? - E confusão não foi a marca registrada apenas do treino corintiano, nesta sexta-feira. No Pacaembu, o ambiente também esteve tumultuado. Tudo por causa da promoção na qual os torcedores podiam trocar três latas de refrigerante Pepsi (patrocinador de camisa) por um ingresso para a partida de domingo. Vendedores ambulantes esvaziavam os recipientes, trocavam por vários ingressos e vendiam como cambistas.

Agencia Estado,

12 de março de 2004 | 20h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.