Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Fábio Costa faz novo exame para saber se joga no sábado

Goleiro do Santos quer ter certeza de que está totalmente recuperado de uma lesão muscular na coxa

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2008 | 18h02

Agora, a dúvida é de Fábio Costa. Recuperado da lesão muscular na coxa esquerda, o goleiro treina normalmente em campo há 15 dias. Sinal de que está pronto para voltar a ser o titular do Santos no jogo contra o Atlético-PR, no próximo sábado, na Vila Belmiro. Mas a sua escalação ainda depende do resultado de uma nova ressonância magnética, para que o próprio jogador tenha certeza de que pode jogar sem o risco de agravar outra vez a contusão.  Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão No passado, Fábio Costa já atuou diversas vezes no sacrifício, contundido ou mesmo fora da melhor forma física. Em 2002, por exemplo, o goleiro passou toda fase de classificação do Brasileirão recuperando-se de fratura no pé esquerdo. Na semana da estréia do time nas oitavas-de-final, contra o São Paulo, o seu substituto Júlio Sérgio queixou de dores e ele se prontificou a jogar, mesmo sem ter completado o programa de recuperação.  Naquela ocasião, Fábio Costa foi um dos destaques em campo. "Joguei com apenas 60% de minhas condições", admitiu depois do jogo. Mesmo assim, ele continuou atuando até as finais contra o Corinthians, tendo sido um dos heróis da conquista do título brasileiro pelo Santos. Outro exemplo é a Libertadores de 2007, quando Fábio Costa voltou a mostrar que não é qualquer dor que o deixa de fora do time. Mesmo com fratura em um osso da mão esquerda, ele fez questão de enfrentar o Grêmio nos dois jogos das semifinais da competição sul-americana, além de encarar o Corinthians no Campeonato Brasileiro. Então, por que Fábio Costa reluta em voltar a jogar agora? A razão é o drama de mais de dois meses que ele viveu para se recuperar de uma lesão muscular, que inicialmente parecia ser muito simples. Agora que o músculo da coxa está curado, o problema seria retomar a confiança para entrar em campo. A origem do problema foi um estiramento muscular que ele sofreu no dia seguinte ao jogo contra o Botafogo, ocorrido em 13 de julho, ainda pelo primeiro turno do Brasileirão, quando participava, como jogador de linha, de um treino recreativo no CT Rei Pelé. Iniciou o tratamento em seguida e, quando estava na fase final de recuperação, tentou antecipar a volta, a pedido do então técnico do Santos, Cuca, depois de o seu substituto, Felipe, ter falhado na derrota para o Palmeiras. Assim, Fábio Costa chegou a ser anunciado como titular do Santos para enfrentar o Vasco, no dia 27 de julho. Mas, ao fazer um movimento durante um teste na antevéspera da partida, o músculo da coxa voltou a romper. Ali começava o longo sofrimento do goleiro. Apesar do tratamento intensivo, a evolução no quadro foi muito lenta. Angustiado com a campanha do time no Campeonato Brasileiro, já que o Santos ficou na zona de rebaixamento por 19 rodadas, ele resolveu se submeter ao tratamento de aplicação de "fator de crescimento" (obtido com a centrifugação do sangue da pessoa) no músculo lesionado. Tudo para apressar a cicatrização.  Fábio Costa não deu entrevistas nos últimos dias. A informação do clube é que se o resultado da ressonância magnética convencê-lo a se colocar à disposição do técnico Márcio Fernandes para o jogo de sábado, ele concede coletiva na quinta-feira. Aí, poderá contar um pouco mais do drama que viveu e da emoção de estar voltando ao time.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCFábio Costa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.