Fábio Costa fica e fala até em encerrar carreira no Santos

Goleiro nega briga com o técnico Emerson Leão e que vá deixar o time, mas que obedece ordens

Bruno Winckler, Jornal da Tarde

04 de janeiro de 2008 | 12h44

O goleiro e capitão santista Fábio Costa quis encerrar de vez dois assuntos relacionados que o incomodavam no Santos desde o final do ano passado: uma possível saída do clube por causa da chegada do técnico Emerson Leão, com quem teria problemas. Ele negou ambos e foi até mais além: "Quero renovar o contrato no fim do ano e encerrar a carreira aqui, que é minha casa. Não tenho motivo para sair".Veja também: Marcinho Guerreiro: joelho zerado e pronto para as críticas Marcos Aurélio e Rodrigo Souto novamente faltam ao treinoO jogador opinou sobre uma possível ida para o Fluminense ou qualquer outro time. Mas acataria qualquer ordem. "Se tivesse algum contato para me contratar, seria entre as diretorias. Futebol é negócio, sempre existem prós e contras, se a diretoria achar que posso ser vendido para outro clube, pode negociar. Só que quero ficar aqui, me sinto bem, não quero ir para a casa do vizinho".Fábio Costa diz que seu relacionamento com Leão é bom e profissional. "Nunca existiu briga entre nós. Naquela época [2003] meu contrato terminou e por motivos que considerei importantes na época resolvi sair [foi para o Corinthians], mas não teve nada do Leão nisso. Cada um tem seu jeito de agir e pensar e o que existe aqui no Santos é respeito. Havendo respeito, o clube que ganha."Na avaliação do capitão, o torcedor santista não deve esperar para a temporada um time como o da geração Diego-Robinho. "O time é bem diferente, porque naquela época não ganhava títulos fazia tempo. Era uma aposta com uma garotada que, se não desse certo, ia ser mais uma turma que passava. Agora tem mais pressão porque todos querem mais títulos. Foi mantida a espinha dorsal, comigo, Maldonado, Kleber e Cleber Pereira, e os garotos estão aí para dar conta do recado, assim como alguns reforços. Não vamos deixar a desejar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.