Fábio Costa reforça ameaça de violência

Fábio Costa rompeu o silêncio. Mas ao contrário do que a maioria esperava, não foi para se desculpar pelo ato insano cometido após o treino de sexta-feira, quando atirou seu carro, de forma intencional, sobre jornalistas e torcedores. Muito pelo contrário. Com ar arrogante, o goleiro do Corinthians garantiu que, se for necessário, repetirá a atitude. "Se acontecer de novo, vou ter de passar por cima", garantiu, categórico.O goleiro alegou que o fotógrafo da Agência Estado, Sebastião Moreira, invadiu sua privacidade e que tal comportamento provocou sua reação. "Depois que me troco e deixo o local de trabalho, não admito que fiquem tirando fotos de mim. Tenho direito à privacidade", protestou.Além de desequilibrado e violento, Fábio Costa provou que sofre de memória curta. Primeiro, porque o incidente (que quase se transformou em um acidente grave) aconteceu dentro da Vila Olímpica, local de trabalho dos atletas e da imprensa. Segundo, pelo fato de esquecer que não estava trocado. O goleiro conduzia seu Astra com a roupa do treino e ainda de meias.E as ameaças de Fábio Costa continuaram, em entrevista neste sábado. "Não admito que invadam minha vida particular. Isso foi um desrespeito e, se continuar, o bicho vai pegar como pegou ontem. Me deixem em paz!", afirmou.

Agencia Estado,

13 de março de 2004 | 16h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.