Fábio Costa responde a Passarella

Daniel Alberto Passarella estava presente, neste domingo, no Morumbi. Pelo menos no pensamento de Fábio Costa, goleiro do Corinthians. Ele, que se mostrou extremamente calmo no jogo e no pós-jogo, elogiando os companheiros, adversários e árbitros, não pôde conter a mágoa que sente do técnico argentino que o afastou do Corinthians no primeiro semestre.?Ele duvidou da minha capacidade técnica e me afastou do time. Queria que ele visse esse jogo para engolir as besteiras que falou a meu respeito. Sofri muito com isso, mas suportei graças à minha mulher e a meu filho. Eles me apoiaram, a família é a base de tudo; dedico essa vitória a eles?, dizia Fábio Costa, ainda no gramado, depois de um abraço em Sérgio, goleiro reserva do Palmeiras.No final do jogo, Fábio Costa comemorou muito a vitória. Sim, vitória e não empate. Foi assim que se referiu ao resultado do jogo. ?Nós tivemos um jogador a menos durante 70 minutos da partida e conseguimos jogar de igual para igual com eles. Por isso, comemorei tanto a última defesa.Foi como um gol, ele reconhece. Pegou o chute de Juninho Paulista no último minuto de jogo e garantiu um ponto que pode ser fundamental no final do Brasileiro. ?Acho que essa vitória foi uma grande prova de maturidade de nosso time. Nós sabemos que quando não é possível ganhar, é importante não perder. Conseguimos isso. Foi muito bom.?Mesmo diante dos maiores elogios, Fábio Costa tentou manter a humildade. ?Não fiz nada sozinho. Apenas lutei junto com o pessoal. A gente se superou muito depois da saída de Fabrício. Aliás, quero dizer que o juiz foi muito bem. A expulsãlo foi correta e o pênalti bem marcado.?Surpreendente Fábio Costa, em um estilo calmo, que não combina com seu passado. E surpreende novamente ao pedir mais consciência aos jornalistas. ?Os árbitros não podem mais errar que ficam sob suspeita. Antes, todo mundo podia errar, mas agora que teve o problema com o Edílson Pereira, vocês não podem colocar tudo mundo de forma igual. Isso faz com que a violência aumente muito.?Fábio Costa acredita estar vivendo um momento muito parecido com o de 2002, quando recuperou-se de uma contusão nos ligamentos no tornozelo direito, que o tirou de praticamente todo o campeonato.Voltou na fase final para levar o Santos ao título, eliminando São Paulo, Grêmio e Corinthians. ?Estou me sentindo como naquela fase. Estou voltando a jogar bem em um momento que o time também está. Isso é muito importante para todos.?Para Marinho, um zagueiro sempre contestado, também. ?Eu fiz uma partida muito boa e isso é muito importante para mim. Não vou dizer que foi a melhor da minha vida ou que tenho muito a dar para o Corinhtians.. Basta ir mal no próximo jogo para ser criticado novamente.?Nem titular ele se considera. ?Eu estou em campo desde o começo, mas se não correr muito, se não lutar o tempo todo, os que estão na reserva vão acabar ficando com o meu lugar. A vida de jogador é assim mesmo.?

Agencia Estado,

16 de outubro de 2005 | 20h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.