Fábio Costa sofre com as gozações

Que Fábio Costa nunca foi sereno todos sabem. Mas havia um tempo que não se via o goleiro tão possesso como hoje. Além dos quatro gols santistas, teve de ouvir o coro da torcida praiana: "Não é mole não, saiu do Santos para passar humilhação!" A gozação estava armada. E não deu outra. O pavio curto do goleiro logo explodiu. "Tomar três, quatro gols por jogo tá f....", disparou o jogador, em entrevista à Rádio Record, na saída de campo. Foi o desabafo de um goleiro que vem sofrendo com sua defesa. Com o baile e os quatro gols sofridos, o Corinthians voltou a ser o segundo time mais vazado do torneio, com 33 gols em 16 jogos (média de mais de dois por partida). Só o Vasco (41) sofreu mais. Apesar do fraco rendimento da zaga, a diretoria afirma que não está atrás de um zagueiro para suprir a ausência de Anderson, negociado no mês passado com o Benfica, de Portugal. Um centroavante continua sendo a meta dos dirigentes. Culpa da mudança de esquema? O técnico Márcio Bittencourt tratou de colocar panos quentes nas declarações de Fábio Costa: "Isso é coisa do calor da partida." Em seguida, o treinador tentou explicar os motivos que o levaram a adotar o esquema 3-5-2 contra o Santos, apesar de não ter treinado com essa formação durante a semana. "Não tínhamos o Marcelo Mattos (suspenso). E, na verdade, já vínhamos atuando com um volante que estava jogando quase como um terceiro zagueiro", disse. A opção de Márcio pelo 3-5-2 não passou despercebida porque ele vinha tendo ótimo rendimento com o 4-4-2. Em 12 jogos à frente do Corinthians, sempre com este esquema, ele vinha tendo um excelente aproveitamento (83% até hoje). Com o 3-5-2 - esquema de seu criticado antecessor, o argentino Daniel Passarella -, o rendimento da defesa foi pífio. Além dos quatro gols, o Corinthians teve duas bolas na trave (uma de Bóvio e outra de Léo Lima). E em diversos lances os defensores pararam pedindo impedimento, sem perceberam que havia um jogador (geralmente Marinho, o zagueiro da sobra), dando condição de jogo aos atacantes do Santos. "Temos de corrigir esses erros logo", alertou o atacante Jô. "Estamos fazendo os gols lá na frente, mas estamos tomando gols que não podemos tomar." Márcio só abriu mão do 3-5-2 aos 27 do segundo tempo, quando o Corinthians já perdia por 4 a 2. O argentino Sebá saiu para a entrada do centroavante Bobô. "Estávamos atrás no placar e precisávamos do resultado. Por isso, coloquei o time na frente", justificou. A mudança no esquema tático da equipe foi muito discutida com Márcio Bittencourt mesmo antes de a bola rolar. Questionado por um repórter de rádio se a opção pelo 3-5-2 fora motivada por supostas críticas de Kia Joorabchian ao esquema defensivo, Márcio riu. A caminho do banco de reservas, contou até 10 para não ser mal-educado com o radialista e respondeu: "O Kia cuida dos negócios dele. Eu procuro dar equilíbrio para a minha equipe. Enquanto estiver dando certo, vamos em frente." Além de tentar corrigir falhas de posicionamento na defesa, Márcio vai conversar bastante para tentar acalmar os ânimos de seus defensores. Hoje, o goleiro Fábio Costa foi visto discutindo várias vezes com seus zagueiros, principalmente com Marinho. Vale lembrar que os dois haviam se desentendido no domingo retrasado, em jogo contra o Vasco, em São Januário. Na ocasião, faltou pouco para Fábio Costa agredir Marinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.