Arquivo/AE
Arquivo/AE

Fábio Costa tem decisão sobre cirurgia no pé adiada

Goleiro pede novo prazo para passar por exames; ele pode voltar a jogar só no próximo ano

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2009 | 19h40

O goleiro Fábio Costa segue sem saber como será o seu restante de 2009 no Santos. Ele ainda corre o risco de passar por uma cirurgia no pé direito e só voltar às atividades em janeiro do ano que vem. Outra possibilidade é que a sua recuperação continue sendo com tratamento de fisioterapia, com previsão de liberação para treinos no começo de setembro, a tempo de ainda participar de boa parte do Campeonato Brasileiro.

 

Veja também:

especialMASCOTES - Baixe o papel de parede do seu time

especialVisite o canal especial do Brasileirão

Brasileirão 2009 - lista Tabela | tabela Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

A decisão sobre a necessidade ou não da cirurgia para curar a contusão crônica do goleiro foi outra vez adiada nesta quarta-feira. Agora, a expectativa é de que tudo esteja definido até a próxima segunda. Isso porque Fábio Costa pediu novo prazo para passar pelos exames conclusivos, alegando que houve redução de 80% das dores nos últimos dias.

"Mas 80% não é 100 e, por isso, ainda não está afastada a possibilidade de Fábio Costa ter que submeter à cirurgia", afirmou nesta quarta o médico Carlos Braga. Ele explicou que na segunda o goleiro fará uma tomografia especial, e que o resultado determinará o tratamento a ser seguido.

Fábio Costa sofreu a contusão nos primeiros minutos do jogo contra o Atlético-MG, no dia 21 de junho, na Vila Belmiro. A previsão inicial era de que com 20 dias de fisioterapia o goleiro estaria recuperado e liberado para participar de treinos físicos, e em menos de um mês voltaria ao time. Mas, na primeira tentativa de retornar, durante um treino físico na caixa de área, o goleiro sentiu fortes dores no pé e teve que começar tudo de novo.

"Como houve uma melhora nos últimos dias, agora Fábio Costa está animado, mas quero vê-lo correndo sem acusar dor. Embora ande normalmente, ele ainda sente dor ao correr e até ao usar a parte dianteira do pé na mudança do passo", explicou Braga.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.