Lucas Uebel/Divulgação
Lucas Uebel/Divulgação

Fabio Koff deixa diretoria do Grêmio por problemas pessoais

Romildo Bolzan assume cargo deixado pelo histórico dirigente

Estadão Conteúdo

04 Março 2015 | 22h36

O Grêmio anunciou nesta quarta-feira que Fabio Koff deixou o cargo de vice-presidente de futebol do clube. Por meio de nota oficial, o clube informou que "problemas pessoais e familiares" motivaram o dirigente a solicitar seu desligamento da função.

Ao mesmo tempo, porém, a diretoria gremista fez questão de enfatizar que Koff, de 83 anos de idade, "continuará à frente das negociações com a construtora OAS para a aquisição da gestão da Arena (estádio do clube) por parte do Grêmio".

Presidente do Grêmio em três gestões, primeiro nos anos de 1980, quando ajudou o clube a se sagrar campeão da Libertadores e do Mundial, ele depois também teria um novo mandato de sucesso na década seguinte, no período em que o time gaúcho voltou a ser campeão continental e também se sagrou vencedor do Brasileirão. Depois, o dirigente iniciou nova passagem à frente do clube em 2013.

O Grêmio também informou nesta quarta que o presidente Romildo Bolzan irá assumir a vice-presidência de futebol de forma interina, atuando em conjunto com o diretor de futebol do clube, Cesar Pacheco, e com o executivo de futebol, Rui Costa.

TREINO
No mesmo dia em que Fabio Koff se afastou oficialmente do cargo que vinha ocupando, o elenco do Grêmio treinou no estádio do clube em uma atividade cujo seu maior tempo foi fechado e sem a presença da imprensa. Após a abertura do treinamento para os jornalistas, as principais novidades vistas em campo foram o recém-contratado atacante uruguaio Braian Rodriguez e o também atacante Luan, que retorna de lesão no pé.

O técnico Luiz Felipe Scolari espera poder contar com Braian já na partida deste sábado, contra o Caxias, pelo Campeonato Gaúcho. Para isso, ele precisa ter sua inscrição regularizada a tempo junto à CBF.

Mais conteúdo sobre:
futebol Grêmio Fabio Koff

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.