Bruno Cantini/Atlético
Bruno Cantini/Atlético

Fábio Santos vê Libertadores como meta do Atlético, mas pensa em 'coisas maiores'

Equipe tem oito pontos de vantagem para o rival Cruzeiro, primeiro time fora do G-6 no Brasileirão

Estadão Conteúdo

12 Setembro 2018 | 17h14

Vindo de duas vitórias consecutivas no Campeonato Brasileiro, o Atlético-MG se estabeleceu de vez na zona de classificação para a Libertadores. Na quinta posição, o time alvinegro tem oito pontos de vantagem para o Cruzeiro (41 a 33), o primeiro fora do G-6, e está exatamente a oito do Internacional, líder da competição. A meta é a vaga no torneio continental, mas Fábio Santos admitiu sonhar com "coisas maiores".

"Vamos ver se a gente consegue somar pontos agora, encarar esses jogos restantes realmente como finais para chegar cada vez mais à frente, garantir essa vaga na Libertadores e pensar em coisas maiores dentro do campeonato também", declarou nesta quarta-feira em entrevista coletiva.

Para seguir embalado, o Atlético-MG confia em uma vitória no clássico contra o Cruzeiro no domingo, no Mineirão. Em meio às disputas das fases finais da Libertadores e da Copa do Brasil, o time celeste pode entrar em campo com uma escalação alternativa, o que não ilude Fábio Santos.

"Já ganhei e perdi vários clássicos jogando com time reserva, estando em um ou no outro. A gente sabe que é jogo grande, jogo importante. São duas camisas pesadas, um dos principais clássicos do Brasil e do mundo. Então, a gente sabe que, independente dos jogadores que estão em campo, são duas camisas grandes e tem tudo para ser um grande clássico", avaliou.

O que o lateral espera, independente do adversário, é uma vitória para comemorar seu aniversário, já que completa 33 anos justamente no domingo. "Para mim, qualquer meio a zero já é importante. Nada como passar um aniversário, uma data bacana, com uma vitória em clássico. Não dá para programar muita coisa porque a gente nunca sabe o que vai acontecer, essa é a nossa vida. Em 2016, quando cheguei, meu aniversário também caiu em um clássico e acabamos empatando por 1 a 1, no Mineirão", lembrou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.