Fabrício Carvalho deverá voltar a jogar

O atacante Fabrício Carvalho, do São Caetano, recebeu uma boa notícia e outra má, nesta sexta-feira, após a conclusão do parecer de uma junta formada por 15 médicos do Hospital do Coração (HCor). A ruim é que terá de seguir afastado do futebol por cerca de 90 dias, o que o tira da disputa do Paulistão. A boa é que os exames feitos por ele no HCor afastaram a hipótese de uma doença congênita no coração como, por exemplo, a miocardiopatia hipertrófica que matou Serginho, seu colega de time, em outubro. Ao que tudo indica, Fabrício, artilheiro do São Caetano no último Brasileiro, tem apenas uma virose, que deve passar em algumas semanas, e poderá voltar a marcar gols ainda este ano.O atacante, de 26 anos, passou pelo Sport Check-up, programa de avaliação esportiva do HCor, no início do ano. Durante o exame espirométrico, teve uma arritmia cardíaca e foi afastado dos treinos e jogos do clube. Em seguida, passou por novos exames, entre eles um cateterismo, e encerrou esta bateria de avaliações com um ecocardiograma de esforço feito na última quinta.Os testes descartaram doença congênita, mas a tese de virose ainda não foi comprovada. Por isso, o atleta ficará três meses sem fazer atividade física intensa e evitando estimulantes do coração, como a cafeína. Fará também acompanhamento cardiológico e, dependendo da evolução, pode voltar até mesmo antes do prazo.NOVO HOSPITAL - O advogado Luís Fernando Pacheco, que representa o presidente do São Caetano, Nairo Ferreira de Souza, no caso Serginho, rejeitou nesta sexta-feira a hipótese de que o clube tenha adotado condutas diferentes com Fabrício Carvalho e com o zagueiro. ?A postura do clube continua a mesma, o que mudou foi o hospital. O HCor informou exatamente o problema de Fabrício, o Incor (onde Serginho fez exames em 2004) não informou corretamente?, afirmou Pacheco, por meio de sua assessoria. ?O caso do Fabrício é uma prova de que, sempre que avisado, o clube toma as medidas necessárias.?O presidente do clube e o médico Paulo Forte respondem processo por suposta responsabilidade pela morte de Serginho. Os médicos do Incor que examinaram o jogador afirmam ter recomendado explicitamente o afastamento de Serginho ao São Caetano.

Agencia Estado,

11 de fevereiro de 2005 | 18h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.