Paulo Fernandes/Vasco.com.br
Paulo Fernandes/Vasco.com.br

Fabrício dá entrevista sincera após virada do Vasco: 'Amassei a bola'

Lateral teve atuação bastante apagada até marcar o gol da virada sobre o Fluminense aos 49 do segundo tempo

O Estado de S.Paulo

30 de março de 2018 | 10h47

A classificação do Vasco para a final do Campeonato Carioca diante do Fluminense não poderia ter sido mais épica do que aquilo que foi visto na noite desta quinta-feira. Se dentro de campo os dois times não desempenharam um futebol de grande qualidade, os eventos dentro dele foram simbólicos - com destaque para o lateral Fabrício, o nome do jogo.

Vasco vence o Fluminense de virada e vai à final do Carioca

Confira a tabela do Campeonato Carioca

Mais notícias do Campeonato Carioca

O jogador de 29 anos foi bastante vaiado no Maracanã por ter tido uma atuação bastante apagada até que marcasse o tento que virou o placar para o cruzmaltino nos acréscimos em 3 a 2. Ele, inclusive, foi "responsável" pelo gol de Pedro, do Flu, no empate em 1 a 1 ainda no primeiro tempo, ao ser driblado com facilidade por Gilberto na linha lateral na origem do lance.

Fabrício, então, teve seu momento de redenção aos 49 minutos da etapa final. E na saída do gramado, ele admitiu que não estava mesmo tendo uma boa jornada e merecia as vaias que levou.

"Velho, vou te falar. Trabalho a semana inteira, mas às vezes não sai do jeito que a gente quer. Amasei a bola hoje. Errei dois lances ali, a torcida pegou no pé", reconheceu, em entrevista ao SporTV. "Só que enquanto tiver um segundo de esperança, enquanto o juiz não acabar o jogo, tem que incentivar. Vaia depois que acaba. Amassei a bola, não joguei nada, mas joguei pelos meus companheiros. Errei dois lances ali e começaram a chiar".

Fabrício ficou marcado pela ocasião em que, quando atuava pelo Internacional em 2015, foi tão vaiado pela torcida colorada que se indignou a ponto de 'estourar', fazendo gestos obscenos na direção das arquibancadas e abandonando o jogo, atirando a camisa no chão e dizendo que não atuaria mais no clube - o que, por fim, aconteceu, com a diretoria do time gaúcho afastando o jogador no início de abril daquele ano. Desta vez, no entanto, técnico e companheiros de equipe abraçaram o atleta - Zé Ricardo até saiu em sua defesa e pediu mais apoio ao lateral-esquerdo.

"Eu escutei (as vaias), eu sei que estou mal no jogo, só que a vontade, a garra e determinação não podem faltar dentro de mim", defendeu-se. "A torcida reclamou, e com razão, mas quanto ainda tem um minutinho de chance, precisa incentivar. Não é a primeira vez que isso acontece comigo e nem vai ser a última, até o meu pai me cobra", revelou.

Vasco e Botafogo fazem a final do Campeonato Carioca. O jogo de ida será neste domingo, às 16 horas (de Brasília), no Engenhão. A segunda partida está marcada para o dia 8 de abril, no Maracanã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.