Ricardo Moraes/Reuters
Ricardo Moraes/Reuters

Fabrício supera vaias com passe para gol e diz que já previa pressão de vascaínos

Criticado pela torcida do Vasco, lateral foi decisivo em vitória sobre o Cruzeiro, em São Januário

Estadão Conteúdo

14 Outubro 2018 | 19h58

O lateral Fabrício deu a assistência para o primeiro gol do Vasco na vitória por 2 a 0 sobre o Cruzeiro, neste domingo, e saiu aplaudido de campo. Antes disso, no entanto, ouviu o pedido pela sua saída do time ecoar pelas arquibancadas de São Januário, cenário que ele já tinha previsto antes da partida. "Antes do jogo falei que, na primeira bola que errasse, eu seria vaiado", revelou.

O pedido massivo para que o jogador fosse substituído foi feito durante o primeiro tempo, quando o Vasco não fazia um bom jogo. No intervalo, o próprio Fabrício pediu a palavra no vestiário e prometeu superar a cobrança dos torcedores.

"Quando desci no intervalo eu disse: 'Se vocês confiarem em mim, podem ter certeza que eu vou voltar lá, esquecer tudo que tem lá fora e jogar por vocês'. Eles falaram: 'Tamo junto'. Voltamos todos juntinhos, coladinhos. O professor Alberto (Valentim) segurou a peteca também", afirmou o jogador, se referindo ao fato de que o técnico o manteve dentro de campo mesmo após os pedidos dos torcedores pela sua saída.

Segundo o lateral, a torcida não consegue esquecer o episódio da foto polêmica na qual ele apareceu em maio. A imagem publicada nas redes sociais mostrava Fabrício e outros atletas, como Evander e Paulão, e vinha acompanhada da legenda "uuuuuu... de quem é a culpa?", em referência as vaias constantes que o time vinha recebendo.

"Eu estava junto na foto, mas não postei, não errei. Fiquei um bom período fora. Alberto disse que eu ia ficar no grupo, ajudar muito. Sabia que a batalha seria grande, difícil. É um objetivo meu, lutar contra tudo. Correr pelos companheiros, família. Fui vaiado para caramba. É colocar a cabeça no lugar", disse Fabrício.

As vaias viraram aplausos quando Fabrício foi substituído por Giovanni Augusto aos 20 minutos, depois de ter contribuído com a assistência para o gol de Yago Pikachu. Mas a história poderia ser diferente, uma vez que o técnico Alberto Valentim pensou duas vezes antes de bancar a permanência do lateral após o intervalo. "Eu tinha a ideia de substituí-lo no intervalo. Sei que aqui tem coisa do passado com ele. O que a torcida fez não foi pelo jogo de hoje. O torcedor sabe disso", lembrou Valentim.

Com a vitória sobre o Cruzeiro, o Vasco chegou aos 34 pontos e se garantiu fora da zona de rebaixamento pelo menos por essa rodada. Além disso, quebrou um longo tabu dentro de São Januário contra o time mineiro. Não o vencia no estádio desde 2006. A última vitória ocorreu no dia 30 de julho de 2006, por 1 a 0. Desde então tinham sido seis derrotas e um empate em confronto com o rival neste período.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.