Fabrício vê missão bem difícil, mas aposta no embalo do Inter

Cheio de desfalques, Colorado tem de vencer o Ceará por dois gols de diferença na Copa do Brasil e lamenta esbanja confiança na vaga

Estadão Conteúdo

12 de agosto de 2014 | 17h33

A derrota no primeiro jogo contra o Ceará por 2 a 1, em pleno Beira-Rio, complicou o Internacional na busca por uma vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Mas a boa fase vivida no Campeonato Brasileiro e a vitória no clássico de domingo diante do Grêmio empolgam a equipe em busca da difícil classificação na partida de volta, nesta quarta-feira, em Fortaleza.

"Tropeçamos no jogo de ida, é verdade, mas nosso momento é muito positivo. Engatamos quatro vitórias seguidas no Brasileirão, por exemplo, e podemos levar isso também para a Copa do Brasil. Assim como eles ganharam da gente no Beira-Rio, é possível vencermos no Castelão. Independentemente de quem jogar, temos grupo para buscar essa vaga e seguir na competição", declarou o lateral Fabrício.

O problema é que o Inter pode ter até seis desfalques para a partida. Wellington Silva e Wellington estão fora. Willians está praticamente descartado. Já D''Alessandro, Alex e Juan não treinaram nesta terça e serão reavaliados. Mas a equipe contará com o embalado Fabrício. O jogador disse recentemente viver sua melhor fase na carreira e celebrou essa regularidade.

"Quem vive ou já viveu o futebol aqui sabe da importância do Gre-Nal. E claro que é bom ficar marcado por ajudar o time a vencer. Em 2014, fiz um gol e dei passe para dois, em momentos decisivos, e participar dessa maneira me deixa feliz pra caramba. Essa regularidade é o que sempre buscamos. Ganhar o clássico tem um peso diferente, mas agora a gente já precisa mudar o foco. Como falei antes, é pensar só no Ceará e no que podemos fazer em campo para mudar o quadro na Copa do Brasil", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa do BrasilInterFabrício

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.