Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Fagner dedica gols para a família e o filho 'artilheiro' de 6 anos

Lateral fez dois dos três gols do Corinthians pelo Paulistão

FÁBIO HECICO, Estadão Conteúdo

10 de abril de 2016 | 18h57

Henrique tem apenas seis anos, mas é o goleador entre os amiguinhos de escola. Adora balançar as redes e ir ao estádio "cobrar" do pai que também faça e dedique gols para ele. Apesar de ainda pequeno, o apaixonado garoto quer fazer história no futebol e neste domingo teve um dia perfeito. Ele é filho de Fagner, lateral do Corinthians, que não é muito de marcar gols mas foi às redes duas vezes diante do Novorizontino, para alegria do herdeiro, um dos mais de 30 mil presentes ao Itaquerão no triunfo por 3 a 0.

O primeiro gol, para tristeza de Henrique, foi do lado contrário ao que costuma ficar com o avô e demais familiares. Já o segundo... O paizão tabelou, tirou do goleiro e correu para o abraço. Henrique pulou de alegria e viu seu herói apontar o dedo, dedicando-lhe o gol. Foi a consagração do menino e a retribuição do lateral que tem, na família, o alicerce para superar os momentos difíceis da carreira e da vida.

"Minha família fica sempre naquele cantinho, vi meu sogro levantando meu filho e dediquei o gol a eles, que sempre estão me ajudando. Só podia comemorar com eles", afirmou o lateral, após desencantar em dose dupla na temporada.

Fagner não costuma fazer gols. Mas é uma grande opção ofensiva do Corinthians. Vira e mexe algum atacante vibra após assistência do camisa 23. Neste domingo, ele resolveu inverter os papéis e ser consagrado pelos companheiros.

Primeiro num chutaço de fora da área que ele reconhece ser um dos, senão o mais, belo gol da carreira. "Tem outro bonito quando estava no Vasco em 2010 ou 2011, não me lembro bem", afirma, sem esconder a euforia com sua obra de arte. "O mais importante, contudo, é ajudar o Corinthians."

No segundo, ele tabelou com Elias e só tirou do goleiro. "Recebi um belo passe do Elias e fui mais frio que o normal. Nessa hora tem de ter calma, é o que sempre ouvimos e fui feliz."

Outro radiante por desencantar na temporada era o meia Alan Mineiro. Ele chegou ao clube no início do ano acima do peso, ficou encostado para recuperar a boa forma e agora mostrou seu cartão de visitas à torcida: os chutes fortes de fora da área. "Só tenho a agradecer a Deus. Desde que cheguei aqui estava buscando esse gol", observou. "É uma característica minha, sempre estou finalizando. E na hora, não pensei, virei e já chutei."

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPaulistãoCorinthiansFagner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.