Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians

Fagner defende Kazim e diz que o atacante não precisa resolver todo jogo

Lateral garante que o atacante está tranquilo quanto as cobranças da torcida

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

31 Janeiro 2018 | 17h22

Fagner saiu em defesa do atacante e companheiro Kazim no Corinthians. O turco tem sido bastante criticado pelas más atuações e, mesmo assim, o técnico Fábio Carille comandou um treino coletivo nesta quarta-feira em que manteve o atleta entre os titulares. O lateral-direito afirmou que o grupo tem dado muito apoio ao atleta e negou que ele tenha que resolver todos os jogos.

+ Carille ensaia time e Kazim é mantido entre os titulares do Corinthians

"A gente vê ele tranquilo. Nós sabemos que a cobrança do camisa 9 é fazer gol, mas a gente tenta deixá-lo consciente que não tem que resolver todos os jogos, mas sim, ajudar a equipe de qualquer maneira", disse o lateral, em entrevista coletiva realizada no CT Joaquim Grava, nesta quarta-feira.

Fagner acredita que Kazim não tem se abalado com as críticas e que dará a volta por cima em breve. "Tentamos passar tranquilidade, mas sabemos que o atacante fica na ansiedade de querer fazer o gol. Ele vem trabalhando da mesma forma e ficamos felizes que ele está com a cabeça tranquila para trabalhar", assegurou.

Durante os jogos, Kazim demonstra muita irritação quando perde uma jogada. Olha para os céus, se lamenta e tenta compensar algumas falhas com muita vontade e dedicação para ir atrás da bola. Outra opção para o ataque, Júnior Dutra chegou nesta temporada e tem ganhado pontos a cada jogo com a torcida e com Carille, mas, por enquanto, ainda não parece ter convencido o treinador a colocá-lo na equipe.

"O Júnior sai mais, se movimenta, e o Kazim é mais pivô. É uma questão de adaptação, independente de quem for o camisa 9, os meias vão entender as características para a gente se adaptar da melhor forma", comentou Fagner.

 

Mais conteúdo sobre:
Corinthians

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.