Nelson Almeida|AFP
Nelson Almeida|AFP

Fagner é quem mais preocupa, diz preparador físico da seleção brasileira

Fabio Mahseredjian avalia lesão do jogador do Corinthians e a situação de Filipe Luís, do Atlético de Madrid

O Estado de S.Paulo

15 Maio 2018 | 07h00

Cotado até para ser titular da seleção após a contusão de Daniel Alves, o lateral direito Fagner, do Corinthians, é a principal preocupação do preparador físico Fabio Mahseredjian nessa etapa de treinamentos para a Copa do Mundo. O atleta sofreu uma lesão muscular na coxa direita em uma partida do clube paulista pelo Brasileirão, em 29 de abril. “Ele estará em condições, mas de todos os atletas é o que exige mais cuidados”, afirmou Mahseredjian em entrevista na sede da CBF, nesta segunda-feira (14), após a convocação anunciada pelo técnico Tite. Segundo o preparador, nem Neymar nem Filipe Luís preocupam.

+ Com Taison e Geromel, Tite convoca lista final da Copa do Mundo da Rússia

+ Raio-X -  Conheça as seleções da Copa da Rússia

+ Confira tabela da Copa do Mundo da Rússia

+ O Estadão mostra os grandes craques que vão disputar a Copa do Mundo

“Na semana que vem Fagner ainda fica fora do campo. Pode até ser que esteja correndo no campo, corrida contínua e intercalada, mas não treinando com bola. Isso vai ficar para a outra semana, quando nós estaremos em Londres”, contou o preparador.

Outro lateral recentemente contundido é Filipe Luis, do Atlético de Madrid, que atua pela esquerda e fraturou a fíbula da perna esquerda numa partida de seu clube em 15 de março. No entanto, sua recuperação foi rápida e ele voltou a jogar em 6 de maio. “O Filipe Luis não tem problema nenhum, porque acabou de fazer uma pré-temporada, devido à lesão que sofreu na fíbula, conseguiu voltar a jogar na semana passada e jogou sábado novamente, durante os 90 minutos”, avaliou o preparador físico da seleção.

A situação física dos três atletas que vão se apresentar por último também não preocupa, diz Mahseredjian. Marcelo e Casemiro, do Real Madrid, e Firmino, do Liverpool, disputarão a final da Liga dos Campeões da Europa, no dia 26, e só depois disso vão se apresentar à seleção brasileira.

“Eles vão jogar no sábado, dia 26, então teoricamente estarão aptos a jogar o amistoso do dia 3. Serão oito dias de intervalo. É como se eles não parassem, se continuassem no dia-a-dia dos seus clubes. O que temos que fazer é dar o tempo necessário para eles descansarem, porque a final da Liga dos Campeões provavelmente será exaustiva”, conta o preparador.

A primeira missão de Mahseredjian será fazer um diagnóstico do estado físico de cada atleta. Essa etapa já começou: nos últimos 30 dias, o preparador visitou clubes da Europa onde atuam os então prováveis convocados para conversar com fisiologistas e outros integrantes da comissão técnica.

“Minha preocupação era saber qual foi a carga de treinamento de cada jogador no último mês. Precisava saber quanto eles correm por dia, quantas ações de alta intensidade fazem. Isso porque, quando se apresentarem a nós na Granja Comary, eu não posso impor uma carga de trabalho maior do que eles estavam habituados, para não correr o risco de causar uma lesão. Se eles correm 2 mil, 3 mil metros por dia, não podem chegar aqui e correr 6 mil logo no início”, exemplificou o preparador.

A partir da segunda semana de treinamentos, segundo ele, já será possível incrementar os treinos. "Teremos 27 dias de treinamento e será possível deixar todos em condições", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.