Falcão empolga a torcida brasileira no Mundial de Futsal

Jogador começa no banco a partida contra o Japão, mas é ovacionado pelo público ao entrar em quadra

Giuliander Carpes - O Estado de S. Paulo,

30 de setembro de 2008 | 19h08

Por opção do técnico Paulo César de Oliveira, Falcão começou o jogo contra o Japão nesta terça-feira no banco de reservas. "Ele está sofrendo um pouco mais fisicamente porque vem em final de temporada", explica o treinador.Veja também: Brasil goleia na estréia do Mundial de Futsal Jogadas de efeito surgirão no momento certo, diz FalcãoSem problemas. Serviu para aumentar ainda mais a expectativa da torcida presente no Nilson Nelson, em Brasília. Quando o melhor jogador do mundo tirou o colete para, finalmente, colocar os pés em quadra, o ginásio veio abaixo."Em qualquer lugar do Brasil que eu tenho ido tem sido assim", conta Falcão. "É um prazer especial." A partida já estava em 2 a 0. E o jogador optou por não dar nenhum toque diferente na bola. "A habilidade tem que ser usada em momentos complicados", afirma o ala."A maturidade me deu isso. Antes, quando eu era moleque, achava que quando estava com oito na frente era momento de fazer. Hoje já vejo isso como uma falta de respeito, de certa forma."Nem precisou mesmo fazer malabarismos. Bastava dominar a redonda para os gritos ecoarem pelo ginásio. Aos 11 minutos, anotou pela primeira vez, de pênalti. "Quando faço o gol procuro olhar para a arquibancada pra ver aquela reação", ressalta. O que viu foi quase sete mil torcedores em pé, batendo palmas. "Isto vai fazer muita falta quando acabar um dia."Relaxa, menino, segue o baile. Falcão toca, briga em quadra, dá chutão. Nada de firulas. "No momento certo, vai ter o que tiver que ter", profetiza. "Não vou fugir da minha característica desde que eu tenha a aplicação que tive hoje de marcar, dar bico pra frente."É isso que técnico PC quer. Que Falcão seja mais importante para o time. "Minha parte individual vou fazer desde que ajude a equipe", diz o jogador. Ele ajudou ainda mais aos 12 minutos do segundo tempo, quando fez seu segundo gol, o 10.º do time na goleada desta terça. Bonito é vencer. "Não pode achar que jogo bonito é só o drible", afirma. Bonito é ver Falcão em quadra buscando o título.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.