Falcão leva alegria a garotos da Febem

A chuva impediu que Falcão batesse uma bolinha com os internos da Febem. O que não impediu uma empatia enorme entre o ídolo e os garotos. E, curiosamente, o nome de um time rival era mais citado que o do São Paulo. "Quero ver você dar uma carretilha no Corinthians. Acaba com eles", gritava H.C. "Falcão, eu te pago 50 paus para você largar o São Paulo e ir para o Corinthians", respondeu A.C Falcão só ria. Atendia a todos com simpatia. E a integração foi maior quando a bola rolou. No meio de um círculo de vinte internos, Falcão desfilou seu repertório. Foram chapéus, canetas, carretilhas e o famoso drible do Falcão.Alemão, um dos internos, foi para o meio da roda e imitou o drible criado pelo novo jogador do São Paulo. Saiu direitinho, mas em baixíssima velocidade.A Zona Norte era outro motivo de integração. "Os meninos são de Lausanne, de Santana e de outros bairros que conheço muito bem. Foi fácil conversar com eles." Uma exibição como a de ontem custa R$ 10 mil quando é assistida por empresários. E, sem direito à intimidade com o ídolo, que autografou mais de 30 camisetas vestidas pelos garotos.Houve também o sorteio de camisas da Seleção Brasileira de Futsal e algumas palavras de Falcão. "Poucas pessoas podem jogar futebol em um nível alto como eu, mas o importante é ser um bom cidadão. Vocês devem se esforçar para isso, porque todos têm ainda a possibilidade de um bom futuro." Morto, um dos internos, foi o porta-voz da turma no agradecimento final. "Você foi legal com a gente. A Febem não é só rebelião, nós queremos sair daqui e arrumar um emprego e você falou que isso é possível", disse, entregando um quadro pintado por ele a Falcão. O ídolo quase chorou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.