Falcão sentiu falta da emoção do gol

O meia Falcão abandona de vez o futebol de campo sem jamais ter sentido a emoção do gol. Em sua derradeira tentativa no São Paulo, onde trabalhou nos últimos três meses e engoliu muitos ?sapos? do "preconceituoso" técnico Leão, Falcão nunca teve a chance que sonhava. Não marcou gols. Atuou sempre nos minutos finais de cinco partidas e começou entre os titulares somente na última, contra o Mogi Mirim, quando o Paulista já estava decidido em favor do seu time. Domingo, quando pisou no gramado do estádio Wilson de Barros, já sabia que seria sua última vez no campo. "Fica a frustração de não ter sentido a emoção do gol. Senti o calor da torcida em dia de casa cheia, mas a experiência do gol eu não tive. É frustrante, sobretudo para mim que estava acostumado a fazer gols." Falcão recusou a proposta do São Paulo de dois anos e se acertou novamente com o Malvee, seu ex-clube de futsal, até 2007. Vai ganhar cerca de R$ 100 mil e já retomou as negociações para a renovação de patrocínio com os Correios. Estréia no fim de semana contra o Joinville. "Tive a possibilidade de tentar mais uma vez no campo. Mas não deu certo. A experiência serviu para eu repensar minhas conquistas nas quadras, para onde volto agora. É frustrante, mas continuo sendo o melhor do mundo no futsal", disse o jogador. "Nas quadras, tenho pelo menos mais oito ou nove anos de carreira, seguros. No campo, depois de dois anos no São Paulo, seriam só incertezas." Antes do São Paulo, ele já havia tentado o futebol de campo na Portuguesa e Palmeiras. Disse que o futebol é preconceituoso, que não aceita "atletas não formados". E sai amargurado com Leão. "Ele fazia questão de me criticar publicamente. Não me deu chance alguma e só me deixou começar atuando no último jogo, um protocolo. Não foi honesto comigo. E foi denegrindo a minha imagem de melhor do mundo", desabafou Falcão. "Ele queria de todas as formas ferir o meu orgulho. Ele me agredia em público. Nunca me pediu para ser atacante. Tenho certeza que outros atletas também estão felizes com sua saída."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.