Falhas da defesa preocupam o Corinthians

O Corinthians enfrenta o Inter, neste domingo, às 16h, em Porto Alegre, com uma recomendação bem definida pelo técnico Geninho para todo o seu sistema defensivo: é proibido falhar. Depois do ?branco? que tomou conta do time diante do Figueirense em Florianópolis e do Vasco da Gama em São Januário, o treinador já ameaça até mudar o esquema tático se a desatenção não for corrigida. "Ainda não é o caso, mas se a falha persistir posso até introduzir um terceiro zagueiro em nossa defesa", considerou o técnico. Até agora Geninho não ?engoliu? a forma displicente como a sua equipe jogou nas duas últimas partidas. Sem ?pegada?, o Corinthians saiu perdendo por 2 a 0 e teve de correr atrás do empate no segundo tempo. Se o poder de reação da equipe deixou o treinador satisfeito, o sistema defensivo virou motivo de preocupação também no jogo deste domingo. "Contra o Figueirense e contra o Vasco nós conseguimos reagir e escapamos da derrota. Mas vai chegar um dia em que o time não conseguirá virar. Daí toda a minha preocupação". Nos dois últimos treinamentos, Geninho deixou claro aos jogadores a sua preocupação em relação ao sistema defensivo. O assunto foi discutido exaustivamente entre o técnico e os jogadores, com a participação de toda a comissão técnica. Não se chegou a uma conclusão definida sobre as razões que levaram a equipe a falhar nesse quesito. "Pode ser desatenção, excesso de confiança ou até mesmo a vontade de cada jogador fazer algo a mais do que estava planejado", imagina Geninho. "Seja qual for a razão, esse tipo de coisa não pode se repetir contra o Inter ou qualquer outro adversário". O jogo contra o Inter é especial porque o Corinthians precisa dos três pontos. Pelos cálculos de seu treinador, o time deveria ganhar pelo menos quatro pontos nos dois jogos fora de casa nesta semana. Como em São Januário não passou de um empate (2 a 2), Geninho espera arrancar três pontos desse jogo no sul. "Com todo respeito que tenho pelo Inter, o Corinthians tem qualidade para acreditar que pode vencer, mesmo jogando no Beira-Rio", sustenta o treinador corintiano. A razão para tamanha confiança está no ataque. Liédson, Gil e Jorge Wágner tem feito a diferença nos últimos jogos. As jogadas de bola parada são uma outra arma fundamental. Ânderson e Fábio Luciano estão se aperfeiçoando no cabeceio. Fábio é o segundo melhor artilheiro da temporada, com 7 gols. Quanto a Ânderson, Geninho também espera que ele tenha um pouco mais cuidado nas disputas de bola na área corintiana. "Dos quatro pênalti contra nós, três foram cometidos por ele", observa Geninho. "Seria bom que ele tomasse um pouco mais de cuidado nas jogadas em nossa área". Tão preocupado quanto Geninho - com as falhas de marcação da equipe - só mesmo o goleiro Doni, que aos poucos vai se transformando num dos jogadores mais importantes da equipe. Neste sábado, no último treinamento antes do embarque para o sul, o goleiro ratificou as palavras de seu treinador. "O que aconteceu nos dois últimos jogos não pode se repetir. Chega de ter que correr atrás do resultado". De acordo com o goleiro, o Corinthians está cometendo um erro infantil quando joga fora de casa. Talvez por ter um ataque muito eficiente, o time está dando o contra-ataque para o adversário, quando o certo seria o inverso. "Sei lá porque. Talvez seja um certo excesso de confiança. A nossa equipe sai sempre prá cima dos adversário, mesmo jogando fora. Claro que o nosso estilo é ofensivo, é procurar sempre a vitória. Mas às vezes é preciso ser um pouco mais cauteloso quando o jogo é na casa do adversário".A equipe deve jogar com Doni, Rogério, Fábio Luciano, Ânderson e Kléber; Fabinho, Fabrício e Jorge Wágner; Leandro, Liédson e Gil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.