Falhas de Felipe antecipam retorno de Fábio Costa no Santos

Goleiro titular deve estar em campo domingo na Vila Belmiro, apesar de não estar completamente recuperado

Sanches Filho, Especial para O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2008 | 19h35

Após as falhas do goleiro Felipe na derrota do Santos para o Palmeiras por 4 a 2, na quinta-feira, Fábio Costa deve voltar ao gol do time santista no jogo contra o Vasco, domingo, na Vila Belmiro, pela 15.ª rodada do Campeonato Brasileiro.Veja também: Santos se fecha para resolver problemas e voltar a vencer Adaílton diz que diretor quis tirar seu salário no SantosFábio Costa não jogou as últimas três partidas do Santos devido a um estiramento na coxa direita, sofrido no dia 14 de julho. A previsão era de que o jogador, que está sem treinar em campo há 12 dias, precisaria de duas a três semanas de recuperação.No entanto, nesta sexta-feira o goleiro foi submetido a novos exames, por imagem, e fez treinos específicos para poder jogar contra o Vasco. "Fábio Costa teve uma evolução muito grande e deve treinar amanhã (sábado)", afirmou o médico Carlos Braga nesta sexta. O Santos soma 11 pontos - com apenas duas vitórias e cinco empates - e ocupa a penúltima posição na tabela do Campeonato Brasileiro, na zona de rebaixamento para a Série B.BRONCADepois de a televisão ter mostrado o técnico Cuca fazendo gestos e gritando com Felipe quando o time ia para os vestiários após o encerramento do primeiro tempo do clássico, o garoto ficou sem condições emocionais para se mantido como titular, ainda mais num jogo na Vila Belmiro, onde a torcida massacra quem falha.Quando Fábio Costa sofreu o estiramento muscular, num treino recreativo no dia seguinte ao empate com o Botafogo, Cuca escolheu Felipe para substituí-lo, embora Douglas fosse o reserva imediato. Agora, com Felipe traumatizado pelas falhas no clássico e visado pelo torcedor, seria uma temeridade escalar o desprestigiado Douglas.Para Fábio Costa, jogar no sacrifício não é novidade. A situação mais marcante aconteceu no primeiro jogo contra o São Paulo pelas oitavas-de-final do Campeonato Brasileiro de 2002, no Morumbi. Ele sofreu fratura no tornozelo esquerdo em maio e estava em fase final de recuperação. O titular do time durante a fase de classificação foi Julio Sérgio, que sofreu uma contratura muscular a dois dias da partida. Fábio Costa fez teste num campo enlameado na concentração do time em Extrema-MG e foi para o jogo mais pela disposição demonstrada do que pela condição."Estou 60% recuperado e posso jogar sem problema", disse na época. Fábio Costa readquiriu o melhor condicionamento nas fases decisivas e na final contra o Corinthians dividiu com Robinho os votos de melhor em campo.Além disso, no ano passado, Fábio Costa enfrentou o Atlético-PR, Corinthians e duas vezes o Grêmio nas semifinais da Copa Libertadores da América com fratura em um osso da mão esquerda.DE VOLTAQuem também voltará ao time titular do Santos é o zagueiro Domingos, devido às ausências de Fabão e Marcelo, suspensos pelo terceiro cartão amarelo. Ele fará dupla com Fabiano Eller contra o Vasco. Outro titular que retorna é o lateral-esquerdo Michel, que cumpriu suspensão diante do Palmeiras. Com as alterações, Kléber será outra vez improvisado no meio-de-campo para melhorar a marcação na frente da área e dar mais qualidade na passagem da bola da defesa para o ataque.Dos titulares mais experientes, o único que corre risco de perder o lugar no time é Molina. Depois do clássico no Palestra Itália, surgiram informações de que o colombiano teria batido boca com Cuca e brigado Kléber Pereira. Questionado a respeito, o atacante deu uma resposta curiosa. "Não vi nada porque estava amarrando as chuteiras."Outra versão foi que Molina ficou irritado no intervalo do jogo ao saber que havia sido substituído por Maikon Leite e saiu dos vestiários gritando e chutando copos plásticos vazios. "Kléber Pereira foi tentar acalmá-lo e inclusive disse ao Molina que todos precisavam estar unidos nesse momento de dificuldades", afirmou um dos assessores de Cuca.Após o jogo, Cuca acenou com a possibilidade de voltar a dar vez aos jogadores mais novos, como Wesley, Tiago Luís e Maikon Leite, provavelmente mandando um recado aos insatisfeitos."É momento de menino ser homem", disse. Em seguida, Cuca voltou a destacar as virtudes da equipe goleada. "Não jogamos mal e o Santos não foi apático. De nada adianta ficar procurando culpados porque trabalho com muitos meninos. Prefiro pegar para mim a maior parcela de culpa", emendou.Para o técnico, o Santos perdeu um jogo estranho. "Estávamos perto de empatar o jogo e voltar para o segundo tempo com chance de conseguir uma virada histórica quando sofremos o quarto gol", lamentou.A sexta-feira foi de especulações. Cuca se reuniu durante três horas com o presidente santista, Marcelo Teixeira, e à tarde não apareceu no campo nem para assistir ao jogo-treino entre reservas contra um misto do sub-20. Por telefone, explicou que o longo encontro com o dirigente foi uma reunião de trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.