Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Erros com Marcelo Oliveira custam caro e Palmeiras é eliminado

Apesar de 4 a 0 contra o River-URU no Allianz Parque, vitória do Rosario contra o Nacional deixa equipe paulista em 3º no Grupo 2

Daniel Batista, O Estado de S. Paulo

14 de abril de 2016 | 23h44

O Palmeiras está fora da Libertadores. Não pelo que fez nesta quinta-feira, mas por ter deixado de fazer ao longo da competição. Mesmo com a goleada por 4 a 0 sobre o River Plate-URU, no Allianz Parque, a derrota do Nacional por 2 a 0 para o Rosario eliminou o time alviverde da competição.

Hoje o Palmeiras está fora da Libertadores por ter demorado demais para acordar na competição. O empate com o River Plate fora de casa e, principalmente, a derrota em casa para o Nacional, ambos sob o comando de Marcelo Oliveira, custaram muito caro. 

A noite desta quinta-feira foi diferente para o palmeirense. O Allianz Parque e o Parque Central, local da partida entre Nacional e Rosario estão 1.900 quilômetros de distância, mas pareciam bem próximos. A alegria do palmeirense passava obrigatoriamente por Montevidéu. Era noite para torcer por Barrios, Egídio e Allione, mas também por Léo Gamalho, Eguren, Ignazio González, entre outros. 

O locutor da arena disse diversas vezes antes da bola rolar. "Vamos todos torcer pelo Palmeiras e o que for para acontecer, está nas mãos de Deus". Não era bem assim. A torcida cumpriu com sua obrigação e apoiou fervorosamente. Até sinalizadores eles acenderam, mas não dava para esquecer o Rosario Central. 

Começou a partida e os palmeirenses sabiam que de nada adiantaria torcer contra os argentinos se não fizessem sua parte e assim tratou de ir atrás do resultado. Cuca abriu mão de sua ideia inicial, que era guardar Barrios para o segundo tempo e o escalou ao lado de Alecsandro para resolver logo.

Com três minutos a mais de jogo em relação ao confronto no Uruguai, o Palmeiras abriu o placar aos 18. Após boa jogada pelo meio da área, Egídio bateu rasteiro na esquerda e colocou o time alviverde na frente. Ainda falta muita coisa. 

O gol fez o Palmeiras se afobar e começar a errar muitos passes. O River bem que tentou se aproveitar, mas faltava qualidade e o pensamento do palmeirense foi: "Como perdemos pontos para eles no Uruguai (empate por 2 a 2?)."

Em vão. E lá foi o Palmeiras atrás de pelo menos mais dois gols, que somados a uma simples vitória do Nacional, colocava a equipe nas oitavas. Enquanto isso, Nacional e Rosario faziam um jogo fraco. Na arena, aos 45, Thiago Martins cabeceou e Pérez fez a defesa. No exato momento em que o Rosario fez 1 a 0. Um grande balde de água fria nos palmeirenses.

Os gritos de apoio deram lugar ao silêncio. Podiam sair mais 20 gols que de nada adiantaria. Mas o Palmeiras tinha que fazer sua parte, acreditando em uma virada em Montevidéu ou pelo menos ter uma despedida com boa vitória. 

Aos 48, Allione bateu na saída do goleiro. 2 a 0 e fim do primeiro tempo. No intervalo, os jogadores foram informados do placar no Uruguai e voltaram muito nervosos. Em quatro minutos, fizeram cinco faltas. Mesmo assim, teve o domínio da segunda etapa, principalmente após a entrada de Cleiton Xavier e Erik. Aos 25, o golpe de misericórdia. Herrera fez 2 a 0 para o Rosario e acabou com os sonhos do palmeirense.

Aos 28, Allione fez o terceiro gol e Alecsandro ampliou aos 35. Virou uma goleada vazia. A torcida nem se deu ao trabalho de comemorar os gols, mas reconheceu a vontade e ao final de jogo aplaudiu o time que merece críticas pelo passado, não pelo que apresentou nesta quinta-feira.

FICHA TÉCNICA

PALMEIRAS 4 x 0 RIVER PLATE

Gols: Egídio, aos 18 e Allione, aos 48 do 1º T e aos 27 do 2º T; Alecsandro, aos 35 do 2º T

PALMEIRAS (4-4-2): Fernando Prass; Jean, Thiago Martins, Vitor Hugo e Egídio; Gabriel (Rafael Marques), Matheus Sales, Robinho (Cleiton Xavier) e Allione; Alecsandro e Lucas Barrios (Erik). T.: Cuca.

RIVER PLATE (URU): Pérez; G. Gonzáles, Ronaldo Conceição, Darío Flores e C. Gonzáles; Pintos, P. Gonzáles, Diego Vicente e Montelongo (Taján); Rosso (Ribas) e Schiappacasse. T.: Juan Carrasco. Juiz: Oscar Maldonado (Bolívia).

Cartões amarelos: Alecsandro, Federico Pintos, Schiappacasse, Ribas e Flores

Público: 30416 pagantes.

Renda: R$ 1.720.776,00

Local: Allianz Parque, em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasLibertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.