Falso Olimpia na mira da Justiça

O Ministério Público de Guaxupé, através do promotor Carlos Alberto Valera, pediu nesta terça-feira a prisão do presidente e vice-presidente da Sociedade Esportiva Guaxupé, respectivamente Antonio Francisco de Oliveira Filho (Toni Play) e Lélio Borges Canceglieri, por estelionato. Também foi pedida a prisão de Aroldo Augusto da Silva, que se diz representante no Brasil do Clube Olimpia, do Paraguai. Eles fizeram um contrato para que o Olimpia jogasse quatro jogos na região por R$ 10 mil, venderam ingressos antecipados.Só que o time que está na região não tem nada a ver com o verdadeiro Olimpia, que negou ter sua delegação no Brasil. O promotor se baseia em reportagem de ?O Estado de São Paulo e da Agência Estado?, que expôs a farsa. "A reportagem de O Estado e da Agência Estado evidencia que os dirigentes da Esportiva e o ´representante´ do Olimpia estão aplicando golpes até em outras Comarcas da Região", diz o promotor na sua petição, citando os jogos do falso Olimpia em Cabo Verde-MG e Monte Santo de Minas.O promotor está também pedindo a apreensão do dinheiro arrecadado e ainda o bloqueio das contas do clube guaxupeano. O juiz João Batista Mendes Filho está analisando o pedido e deverá se pronunciar até quarta-feira. A imprensa paraguaia também está dando destaque ao caso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.