Cesar Greco/ SE Palmeiras
Cesar Greco/ SE Palmeiras

Falta de ação da diretoria após erro do VAR contra o São Paulo irrita grupo político no Palmeiras

Chapa União Verde e Branco divulga nota oficial e afirma que erros da arbitragem representam 'sérios danos esportivos, financeiros e psicológicos' ao time de Abel Ferreira

Glauco de Pierri e Ricardo Magatti, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2022 | 19h11

A falta de ação da presidente Leila Pereira e da diretoria de futebol do Palmeiras após a confirmação do erro dos juízes que estavam no VAR (Árbitro de Vídeo) no confronto entre o clube alviverde e o São Paulo, quinta-feira da semana passada, pela Copa do Brasil, deixou boa parte dos conselheiros do clube irritados. 

Descontentes com apenas o ofício enviado pela direção do clube à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), a UVB (União Verde e Branco), uma das chapas mais tradicionais da política palmeirense e que conta com 42 cadeiras no Conselho Deliberativo, enviou para a entidade uma nota  na qual reclama com veemência da arbitragem da partida, encabeçada por Leandro Vuaden, e pede atitudes mais drásticas em relação ao problema.

No jogo, válido pelas oitavas de final da competição, o Palmeiras venceu o São Paulo por 2 a 1, mas perdeu nos pênaltis por 4 a 3. No sábado, a Comissão de Arbitragem da CBF divulgou o áudio do VAR da partida. A atuação da arbitragem ficou marcada, sobretudo, pela marcação de um pênalti polêmico em Calleri no segundo tempo da partida. Porém, no lance, o atacante são-paulino parecia estar em posição de impedimento, algo que a entidade admitiu que não foi checado pela arbitragem de vídeo ao não traçar a linha.

Na nota da UVB, a chapa afirma que o erro dos operadores do VAR representa "sérios danos esportivos, financeiros e psicológicos à S.E. Palmeiras" e aos seus torcedores. Os conselheiros afirmam que Vuaden "não se preocupou em checar se todas as situações do lance foram devidamente checadas" e ainda diz que o juiz "se deixou influenciar por um erro crasso da equipe do VAR".

Os conselheiros encerram o documento afirmando que "a CBF precisa dar exemplo e se mostrar completamente competente no que se diz respeito ao departamento de arbitragem" da entidade. O Palmeiras volta a jogar nesta segunda, quando recebe o Cuiabá às 20h, no Allianz Parque, no encerramento da 18.ª rodada do Campeonato Brasileiro. O clube também segue na disputa da Libertadores, na qual briga pelo seu quarto título – o terceiro consecutivo.

O time do técnico português Abel Ferreira está nas quartas de final da competição. O rival será o Atlético-MG – os jogos serão nos dias 2 e 9 de agosto, o primeiro no Mineirão, em Belo Horizonte. A partida de volta será em São Paulo, no estádio palmeirense.

 Confira abaixo a nota da UVB (União Verde e Branco) na íntegra.

 A UVB(União Verde e Branco) vem, através desta, manifestar nota de repúdio à atuação da equipe de arbitragem e demais representantes da CBF, na partida entre Palmeiras x São Paulo, válida pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

Além das decisões questionáveis tomadas em campo de jogo, nas quais não vamos nos alongar, destacamos:

- Marcação de pênalti a favor da equipe adversária através do VAR sem sequer ter traçado as linhas de impedimento. Procedimento básico no protocolo. O atacante adversário se encontrava em “POSIÇÃO IRREGULAR” ao receber a bola que da origem ao lance da marcação do pênalti.

 O reconhecimento do erro por parte da entidade máxima do futebol brasileiro não minimiza em nada o erro grotesco cometido pela equipe de arbitragem.

Tal conduta resulta da total falta de preparo da equipe de arbitragem. Incluindo o árbitro de campo, Leandro Vuaden, que não se preocupou em checar se todas as situações do lance fossem checadas. Se deixou influenciar por um erro crasso da equipe do VAR.

 O lance, que resulta no gol adversário, e consequentemente altera o curso natural da partida e culmina com a eliminação da S.E. Palmeiras nos causa sérios danos esportivos, financeiros e psicológicos.

 Entretanto, tal nota tem o objetivo principal de manifestar total indignação. E o reconhecimento do erro pela CBF não minimiza em nada a perda da S.E. Palmeiras. 

Atitudes mais drásticas precisam ser tomadas em relação a arbitragem brasileira, que passa por um péssimo momento. Afastar a equipe do VAR por apenas uma rodada e permitir que Leandro Vuaden continuasse a exercer normalmente sua função entendemos ser uma falta de respeito com nosso torcedor.

 A CBF precisa dar exemplo e se mostrar completamente competente no que se diz respeito ao departamento de arbitragem.

 São Paulo, 17 de julho de 2022

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.