Gilvan de Souza/Flamengo
Gilvan de Souza/Flamengo

Falta de colaboração dos clubes prejudica seleções de base, diz Edu Gaspar

Brasil enfrenta dificuldade para conseguir a liberação de atletas para as competições

Marcio Dolzan, Estadão Conteúdo

08 Março 2018 | 14h50

As seleções brasileiras de base estão perdendo o interesse dos clubes e isso está ameaçando a participação do Brasil em competições importantes, como o Mundial Sub-20 e a própria Olimpíada. A dificuldade de conseguir a liberação de atletas é tão grande que até jogadores que estão no radar de Tite para jogar na equipe principal deixam de ser melhor avaliados. Um dos casos é o atacante Lincoln, do Flamengo.

+ Com Tite, websérie conta história de crianças que sonham em jogar futebol

O jogador rubro-negro é visto com muito bons olhos pelo técnico da seleção. "O Tite pergunta muito pro Amadeu (Carlos Amadeu, técnico da seleção sub-20) sobre atletas com quem ele esteve, sobre características, movimentação. Tem um atleta específico que o Tite gosta muito e fala muito dele: é o Lincoln. O Tite sempre falou muito bem dele, porque tem uma característica hoje difícil de ser encontrada no Brasil", disse nesta quinta-feira o coordenador de seleções, Edu Gaspar, durante encontro com jornalistas e técnicos das seleções de base realizado na sede da CBF.

Amadeu, por sua vez, deu ainda mais indicativos sobre a possibilidade de encaixe de Lincoln, de apenas 17 anos, no time principal. "O Tite falou que acha que o Lincoln vai acompanhar o raciocínio de Neymar e Gabriel Jesus", comentou o técnico do Sub-20.

O problema é que os clubes do País relutam cada vez mais em liberar os atletas mais novos para as seleções de base, já que muitos deles já atuam no time principal em seus clubes. O próprio Lincoln precisou ser desconvocado para os amistosos da sub-20 diante do México, em Manaus, a pedido do Flamengo. O mesmo aconteceu com outro atacante rubro-negro, Vinicius Júnior.

O time carioca, contudo, não é o único a pedir dispensa de atletas - nenhuma equipe é obrigada a liberar, ainda mais neste ano, que não prevê nenhuma competição oficial na base.

"Estamos encontrando algumas dificuldades. Para que você possa fazer um grande Sul-Americano, você precisa fazer uma grande preparação", ponderou Edu Gaspar, citando a competição marcada para o próximo ano. "Ele classifica para Olimpíada e Mundial Sub-20. Olha a importância disso!"

Edu destacou que a falta de jogadores nos amistosos atrapalha a preparação para as competições. "Temos tido dificuldade para convocar atletas. Eu não posso, e seria injusto com o Amadeu, ir para o Sul-Americano com o time que não treinou, não jogou, que não se conheceu", disse. "Eu sinto que às vezes a seleção brasileira (de base) perdeu a importância que ela tinha. As negativas de convocação têm sido corriqueiras. Não são coisas pontuais."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.