Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Falta de opções deixou Brasil sem rivais, justifica Mano

Grupo foi chamado apenas para participar de uma semana de treinamentos em Barcelona no início de setembro

AE, Agência Estado

20 de agosto de 2010 | 14h12

Logo depois de a CBF anunciar a segunda lista de convocados de Mano Menezes no comando da seleção brasileira, o treinador deu entrevista coletiva, no início da tarde desta sexta-feira, no Rio, para comentar os nomes escolhidos por ele e justificar a decisão que tomou, em conjunto com a entidade, de chamar o grupo apenas para participar de uma semana de treinamentos em Barcelona no início de setembro.

Veja também:

linkMano elogia Neymar por decisão de ficar no Santos

linkJogadores da Europa são chamados por Mano para treinos com a seleção

blog BATE-PRONTO - Jogadores vão opinar em decisões

O treinador justificou que a medida incomum foi motivada pelo fato de a seleção não ter encontrado adversários de nível satisfatório para a disputa de amistosos no período. "Nós (Mano e a direção da CBF) optamos por uma semana de treinamentos em função das opções que tínhamos para este momento. A gente entendeu que para este momento o ideal seria a gente aproveitar o período para conhecer os jogadores e ir formando uma ideia de questões táticas mais definidas", disse o treinador, que revelou que existe um plano da realização de dois jogos-treino durante a semana de preparação em solo espanhol.

Durante a entrevista de Mano Menezes, o diretor de comunicação da CBF, Rodrigo Paiva, lembrou que a Fifa não permite mais, em datas reservadas em seu calendário, a realização de amistosos contra seleções regionais ou contra combinados locais, por exemplo, e só autoriza a disputa de confrontos contra seleções filiadas à entidade. Além disso, Mano explicou que não poderia trazer os jogadores para treinar no Brasil por conta do regulamento da Fifa, que não permite deslocamentos maiores do que quatro horas para atletas que atuam na Europa.

"Existe uma regulamentação que não permite isso neste momento. Talvez no futuro, em função de não disputarmos as Eliminatórias (da Copa de 2014, pelo fato de o país ser sede da competição), se consiga uma liberação para este tipo de jogo (contra seleções locais ou regionais)", afirmou o técnico, para depois revelar as datas de jogos-treino que a seleção deverá fazer na Espanha, contra rivais ainda não definidos.

"Vamos ter um jogo-treino, que não vai ser realizado com camisa (oficial) de jogo, no dia 5, e provavelmente vamos ter outro no dia 7. Pretendemos separar dois grupos, um com uma base no dia 5 e um outro time para jogar no dia 7", explicou.

Mas, apesar de ter minimizado o fato de ter convocado uma seleção para uma semana de treinos sem um amistoso agendado pela frente, Mano admitiu que o fato "foi uma exceção". "Lá na frente também teremos amistosos contra seleções que não são tão renomadas porque vamos entender que naquele momento será o melhor. Agora, poderemos fazer um tipo de trabalho mais específico, com dois jogos-treino, que vai nos trazer mais benefícios no futuro", enfatizou.

Para completar, Mano negou que o período de treinos na Espanha servirá como uma espécie de vestibular para os jogadores jovens que buscam um espaço na seleção brasileira. "Não vou usar e acho desrespeitoso a gente usar peneira com jogadores de seleção brasileira. Vamos continuar fazendo o trabalho, observando os jogadores em seus clubes. Conhecer mesmo os jogadores você conhece no dia a dia de trabalho. E dessa maneira que o trabalho vai ser conduzido", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.