Andre Penner|AP
Andre Penner|AP

Pai de zagueiro critica ida ao aeroporto para abraçar Temer: 'Falta de respeito'

Osmar Machado aguarda a chegada do corpo de Filipe em Chapecó

Daniel Batista e Gilberto Amendola, enviados especiais a Chapecó, O Estado de S. Paulo

02 de dezembro de 2016 | 12h48

Osmar Machado, pai do zagueiro Filipe, aguarda a chegada do corpo do filho, vítima de acidente aéreo na Colômbia, para velório coletivo na Arena Condá, em Chapecó. Informado de que deveria ir ao aeroporto recepcionar o presidente Michel Temer, ele mostrou indignação.

"Falaram que eu vou ter que sair daqui e ir até o aeroporto dar um abraço no Temer. Acho isso uma falta de respeito com as famílias. Se ele quiser que venha aqui. Isso é tão desrespeitoso que eu até acho que a mentira (a vinda do Temer)", criticou.

O pai também afirmou que, após a cerimônia em Santa Catarina, a família irá realizar outro velório na Arena do Grêmio, no Rio Grande do Sul. Embora Machado tenha defendido a camisa do Internacional por 10 anos, foi o Grêmio quem ofereceu o espaço e entrou em contato com a família. 

"Não que reclamar. Ou julgar. O Filipe tinha muitos amigos nos dois clubes. Mas quem nos contatou foi o Grêmio. Talvez por que o Inter tenha outras preocupações agora", fala. Filipe Machado também teve uma breve experiência no Grêmio, dos 9 aos 11 anos.

Muito abalado, o pai de Machado fala que o filho estava vivendo um dos momentos mais felizes da sua vida. "Ele jogou em países de muito conflito, como o Irã, a Rússia e os Emirados Árabes... mas foi aqui que o pior aconteceu", lamentou.

Em luto, Osmar também chamou o piloto da companhia aérea LaMia de "imbecil" e "ganancioso". "Pena que o piloto não está vivo pra ver tudo isso aqui, tudo o que ele fez com a gente", disparou. Segundo as investigações preliminares das autoridades colombianas, a queda do avião, que deixou 71 mortos e seis feridos, deve-se à falta de combustível.

Osmar revelou que fez o trajeto de sua cidade, Gravataí, para Chapecó de carro - e que muitas vezes pensou em "enfiar o carro embaixo de um caminhão". O pai do zagueiro morto no voo da LaMia diz que não fez uma bobagem porque precisa ser forte e ajudar a esposa e as filhas.

Tudo o que sabemos sobre:
Acidente AéreoFutebolChapecoense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.