Falta dinheiro no União Barbarense

Os jornais da Suíça publicaram na semana passada que a UB Corporation, co-gestora do União Barbarense, comprou o Servette, um dos maiores clubes do país europeu. No entanto, a realidade do clube paulista é outra. O técnico Sérgio Farias garante que está pagando passagens aéreas e hospedagens aos jogadores que negociam com o União. O último foi o atacante Wesley Brasília, ex-Vila Nova-GO e Santo André. Ele chegou a viajar para Santa Bárbara D´Oeste, mas não fechou o contrato. "Estou bancando os gastos desses jogadores, porque a gestora do União não está custeando. Os investimentos não estão chegando", disse. O representante da UB no União, o ex-jogador e empresário Marcos Lucena, o Magu, garantiu que não há dinheiro para novas contratações. "Não podemos ultrapassar o limite de nossos gastos. Mas temos um time bom e conseguiremos fazer um bom campeonato", argumentou. Ano passado, os salários de outubro e novembro atrasaram causando grave desconforto. Na semana passada, os jornais suíços divulgaram que o União Barbarense havia comprado o Servette. O dinheiro possivelmente viria de um acordo entre a UB Corporation e a petrolífera Loukoil, da Rússia. Essa empresa já possui alguns times na Europa. Um dos mais conhecidos é o time russo Spartak Moscou.

Agencia Estado,

28 de janeiro de 2004 | 18h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.