'Faltou algo' na candidatura do Brasil, diz presidente da Fifa

Joseph Blatter afirma que faltou competição, mas que o país é um forte candidato.

Thomas Pappon, BBC

29 de outubro de 2007 | 18h40

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, disse nesta segunda-feira que "faltou algo" à candidatura do Brasil a sede da Copa do Mundo de 2014, ao justificar a decisão da Fifa de abandonar o sistema de revezamento de continentes na escolha das sedes das Copas.Em entrevista coletiva na sede da entidade, em Zurique, Blatter não deixou claro o que, exatamente, teria faltado na candidatura brasileira, mas salientou que o Brasil é um candidato "forte", "que manda jogadores para o mundo inteiro".O presidente da Fifa, que tinha declarado à BBC no inicio do mês que não se sentia "confortável" com a candidatura única do Brasil, disse que "faltou competição" e que viu, na escolha da sede de 2014, "uma motivação para abrir o processo a outros países".Blatter afirmou que qualquer país poderá se candidatar para a Copa de 2018, exceto países dos continentes que sediaram os dois torneios anteriores, África e América do Sul."(A Copa de 2018) será aberta a todas as nações de Europa, Ásia, Concacaf (confederação que reúne times das Américas do Norte e Central) e Oceania"."Houve interesse de Inglaterra, China, Austrália, México, Estados Unidos e uma candidatura conjunta de Holanda e Bélgica, nos moldes da Eurocopa de 2000. São todos grandes candidatos", disse Blatter.Perguntado se o fim do esquema de revezamento por continentes não eliminaria países em desenvolvimento e pobres da disputa, que teriam poucas chances para competir com países ricos e desenvolvidos, Blatter disse: "Garantimos que a África e a América do Sul tivessem uma chance.""Mas países pequenos teriam dificuldades para realizar uma competição com 32 participantes", acrescentou.A decisão de acabar com o esquema da rotação entre países foi tomada em uma reunião do Comitê Executivo da Fifa, nesta segunda-feira, e anunciada oficialmente por Blatter após o encontro.A informação, no entanto, vazou para a imprensa em uma entrevista concedida pelo vice-presidente da Fifa, Chung Mong-joon, à BBC durante um intervalo da reunião.Blatter criticou duramente a atitude de Chung e disse que a Fifa está empenhada em um esforço para não permitir vazamentos do tipo. "Não esperava que o vazamento fosse vir de um dos membros do Comitê Executivo", disse Blatter, na coletiva após a reunião. "Vamos discutir isso na reunião de terça-feira."Quando for confirmado para sediar o torneio em 2014, o Brasil será o último país beneficiado pelo sistema de rodízio, iniciado com a Copa de 2002, no Japão e na Coréia do Sul.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.