Imagem Ugo Giorgetti
Colunista
Ugo Giorgetti
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Fama e tatuagem

O curioso com as tatuagens dos jogadores atualmente é que elas aparentemente não querem dizer nada e não têm significado algum

Ugo Giorgetti, colunista

17 Junho 2018 | 04h00

Não há lugar onde seja mais comum o uso e a exibição de tatuagens do que entre jogadores famosos. É desnecessário dizer que é inútil ser contra tatuagens, um recurso antigo, ancestral incorporado à história do homem. 

+ ANTERO GRECO: Brasil, Expedição 21  

+ Leia outros colunistas de Esportes

O que me causa um certo pasmo, no entanto, é, primeiro, a maneira como se difundiu entre jogadores, como se fosse uma marca a distingui-los do resto dos mortais, como atestado de que pertencem a uma casta especial de pessoas e é necessária a exibição pública dessa irmandade. Parece que todo jogador de futebol hoje em dia que se preza, que se pretende famoso e escolhido, a primeira coisa que faz é encomendar uma tatuagem, às vezes duas ou três, como se fossem condecorações e medalhas, como no Exército, conquistadas ao longo de uma carreira vitoriosa. 

Fiquei perplexo ao ver nestes dias uma foto do atacante Gabriel Jesus coberto de tatuagens. Tinha reparado bastante nesse jogador que esteve entre nós por mísero ano e meio. Creio que já tivesse alguma tatuagem discreta e que escapou ao meu exame ainda que atento. Agora, é impossível deixar de prestar atenção nelas. Os finos braços do atacante do Manchester City estão cobertos de desenhos feitos sabe-se lá onde e por quem.

Isso me leva a estender o raciocínio para outra coisa. Tatuagens sempre foram feitas para transmitir alguma coisa. Um fato marcante na vida do tatuado, o rosto de uma mulher inesquecível para ele, uma data memorável, um feito guerreiro, um lugar especial da face da Terra, enfim, alguma coisa que revelasse clara e diretamente o fato que o tatuado queria transmitir e com isso, inclusive, submeter-se até ao julgamento de todos. 

 

Além do mais, tatuagem sempre foi algo, se não restrito, pelo menos particularmente caro a marujos. Homens do mar inundam toda uma literatura com suas tatuagens. De Robert Louis Stevenson a Herman Melville, há descrições de tatuagens de vários tipos.

Pois bem, o curioso com as tatuagens dos jogadores atualmente é que elas aparentemente não querem dizer nada e não têm significado algum. Não há, pelo menos para mim, nenhuma possibilidade de se deduzir dos desenhos o que eles representam na vida do jogador tatuado. Nem sequer são desenhos feitos sob orientação e desejo do jogador tatuado. Parece que foram feitos por alguém que nada sabe da vida do craque, apenas lhe apresenta alguns modelos para que escolha, como acontece nas lojas de roupas feitas. Em suma, parecem não ter significado algum, apenas incluí-lo simbolicamente no número de jogadores famosos e felizes, isto é, que se tatuam. 

Então, se fulano tem tatuagens vou fazer uma também, vou ser como ele. Essa atitude de imitação, de pertencimento instintivo a um grupo sem nem saber claramente por que, mas que se advinha “diferenciado” e especial, revela-se em outras manifestações do futebol. 

Certamente já há pesquisadores atentos se debruçando sobre certos gestos, posturas e atitudes no futebol, que tem sofrido enorme modificação nos últimos anos. O futebol não poderia deixar de ser vítima, como o resto da sociedade, da onda de pasteurização geral, inclusive das maneiras das pessoas. Tatuagens não são as únicas novidades. 

*UGO GIORGETTI É CINEASTA E ESCRITOR

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.