Nilton Fukuda|Estadão
Nilton Fukuda|Estadão

Familiares das vítimas da Chapecoense podem receber indenização de até R$ 1,2 milhão

CBF já deu início ao trâmite burocrático para o pagamento dos seguros de vida

Daniel Batista e Gilberto Amendola, enviados especiais a Chapecó, O Estado de S. Paulo

01 de dezembro de 2016 | 12h45

A dor pela perda de seus entes queridos é muito grande para as famílias dos jogadores da Chapecoense, mas a CBF e a diretoria do clube tenta amenizar a situação, garantindo total segurança financeira para quem tem tido tanto sofrimento. A entidade que comanda o futebol brasileiro já deu início ao trâmite burocrático para o pagamento dos seguros de vida e pretende resolver a pendência o quanto antes.

Dois representantes da Itaú Seguros foram mandados para Chapecó para agilizar a documentação e entrar em contato com os familiares dos falecidos. Eles contam com o apoio do departamento financeiro e jurídico do clube, mas ainda não se tem definido o prazo para que se inicie os pagamentos. 

Normalmente, os beneficiários é que teriam que entrar em contato com a CBF para pedir o seguro, mas devido o tamanho da tragédia, a entidade se prontificou a se antecipar e dar início a todo o processo. 

Os familiares dos jogadores terão direito a receber o equivalente a doze meses de salário do respectivo atleta, mais R$ 5 mil por auxílio funerário. Existe um limite no valor de R$ 1,2 milhão total para o pagamento do seguro. Ou seja, quem ganhasse acima de R$ 100 mil receberia o valor máximo, algo que só entra em ação com o meia Cleber Santana. 

A apólice também vale para casos de invalidez permanente total ou parcial. Casos, por exemplo, do goleiro Jackson Follmann, que perdeu a perna direita e corre o risco de perder a esquerda. O zagueiro Neto e o lateral Alan Ruschel ainda não têm assegurado total recuperação. O Estado conversou com familiares de algumas das vítimas e todos asseguraram que estão recebendo apoio total da Chapecoense. "Não temos o que reclamar deles. A diretoria está dando todo o suporte necessário pra gente", disse Rosângela Loureiro, mulher do meia Cleber Santana.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Acidente AéreoFutebolChapecoense

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.