Marcel Camilo
Marcel Camilo

Familiares de vítimas do voo da Chapecoense fazem protesto em Londres

Zagueiro Neto e viúvas de atletas cobram indenizações de corretora de seguro e seguradora

Redação, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2019 | 19h43

Liderados pelo zagueiro Neto, um dos sobreviventes do voo que matou quase toda a delegação da Chapecoense em 2016, familiares de vítimas da tragédia fizeram ontem protesto em Londres em frente às sedes da corretora de seguro Aon e da seguradora Tokio Marine Kiln.

Acompanhado de advogados, o grupo levou faixas com a frase “Lutando por justiça, somos mais fortes juntos” em inglês e português. Eles também vestiam camisas com o número 71 nas costas, em alusão à quantidade de vítimas da tragédia. Entre os manifestantes estavam as esposas dos jogadores Gil, Filipe Machado, Thiego e Bruno Rangel, mortos no acidente.

Aline Machado, viúva de Felipe Machado, também usou as redes sociais. “Acreditamos que ocorreram muitos erros na contratação do seguro. Muita gente pergunta, mas ainda não fomos indenizados, ofereceram apenas uma ajuda humanitária. É um absurdo essas empresas não nos indenizarem pelo valor justo da apólice”, disse.

Advogados afirmam que o valor devido por Aon e Tokio Marine Kiln varia entre US$ 4 milhões e US$ 5 milhões para cada família (entre R$ 16,6 milhões e R$ 20,9 milhões). A Aon afirma ser a corretora e não a seguradora e que não é responsável pelo pagamento. A Tokio Marine Kiln informa que a reivindicação referente à apólice de seguro não é válida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.