Fanáticos até debaixo da terra, corintianos buscam velórios temáticos

De cinzas na Arena Corinthians a Fusca personalizado, torcedores procuram diferentes enterros

Gustavo Zucchi, O Estado de S. Paulo

25 de outubro de 2013 | 07h30

SÃO PAULO - Para quem pensava que só existe uma certeza na vida, os corintianos estão aí para provar que está máxima não é necessariamente verdade. Enquanto a maioria das pessoas sabe apenas que um dia vai ter um encontro com a inevitável morte, os torcedores do Corinthians tem absoluta convicção que na pós vida, seu fanatismo não vai diminuir. Pensando nisso, uma agência funerária fechou em parceria com o clube para garantir que na hora de vestir o 'terno de madeira', que este seja alvinegro.

"Meus amigos falaram que eu era louca quando fechei", diz Nanci Ferreira da silva, 60 anos, uma das corintianas que contrataram o seguro. "Mas eu não me importo, sou louca mesmo, louca pelo Corinthians', ri. "A personalização do próprio velório é um conceito novo' afirma Iris Franco, gestora de cerimônias do Grupo Memorial, que oferece a possibilidade da carimônia temática. "Conversei com vários corintianos e personalização para eles é uma demonstração de paixão', explica.

"Sou conhecido como "Corintiano" no Jardim Nordeste, todo mundo me chama assim", diz Marcos Paulo Cabral de Lima, 39 anos, um dos torcedores que aderiram ao plano do Grupo Memorial. "Mas o que eu quero mesmo é ser levado para o cemitério no meu Fusca", brinca. Nanci também tem um desejo único: "Antes eu queria minhas cinzas jogadas no Pacaembu, agora eu quero ser espalhada na Arena, ficaria muito feliz se pudesse", conta. "Trabalho em uma escola, venho uniformizada todo dia, as pessoas me conhecem pela minha paixão, não poderia ser enterrada de outro jeito. Queria é já ter morrido!", ri Nanci.

"No momento da morte as pessoas acabam comprando o que cabe no bolso. Mas não é certo que o corintiano, que torceu a vida inteira, no dia em que morre colocam um terno e uma gravata", explica o diretor comercial do Grupo Memorial, Wallace Waetge.

PEDIDOS E MOTIVOS

Claro que nem todos desejos podem ser atendidos. "Já tive gente que quis a bateria da Gaviões da Fiel no velório", conta Iris. "Os desejos vão aparecer, a capacidade do ser humano é infinita", afirma. O que o torcedor do Corinthians pode esperar é que não vai ter nada verde. O plano oferece bandeira do Corinthians, uniforme e hino do Corinthians. Na coroa da flores, as rosas são tratadas para ficar na coloração preta, assim como as folhas, que deixam a tonalidade do rival para adquirir a do atual campeão mundial. "Por enquanto, enterros na Arena não estão planejados", ressalta Wallace.

O que atrai os fanáticos pelo Alvinegro para planejarem o velório com antecedência é a temática, mas há outros motivos. Não deixar a família desamparada é um deles. "Acho muito importante se planejar, eu sofri para enterrar meu pai, sei como é", lembra Nanci. "Não sabemos o dia de amanhã", afirma Marcos.

SÓ PARA CORINTIANOS

Para palmeirenses, são paulinos e santistas que gostaram da ideia, o sonho de ser enterrado com as cores do clube vai ficar, por enquanto, apenas no desejo. "Nesse momento queremos focar em uma torcida, o Grupo Memorial escolheu o que já era uma constatação, as pessoas pedem pelo Corinthians", explica o diretor comercial da empresa, Wallace Waetge. "Respeitamos a paixão até o último momento e costumamos perguntar para a família qual era o desejo da pessoa", conta Iris.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.