Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

'Fantástico', diz técnico da Islândia sobre empate com a Argentina

Islandeses surpreendem com 1 a 1 diante dos argentinos, em Moscou

Gonçalo Junior, enviado especial / Moscou, O Estado de S.Paulo

16 Junho 2018 | 14h30

O técnico Heimir Hallgrimsson classificou como "fantástico" o empate por 1 a 1 da sua equipe, a Islândia, diante da Argentina na abertura do Grupo D da Copa do Mundo, neste sábado, em Moscou. Após a partida, os jogadores foram saudados pela torcida, bem menos numerosa do que a da seleção de Messi, no estádio do Spartak. O treinador também afirmou que o empate conquistado na estreia em Mundiais merece ser celebrado.

+ Cineasta, goleiro da Islândia revela que estudou pênaltis de Messi

+ Messi assume responsabilidade por empate argentino e diz que perder pênalti 'dói'

"A Argentina já disputou e ganhou Copas do Mundo. Possui jogadores que atuam em torneios melhores que os nossos. Acredito que ela vai muito longe neste Mundial. É um ponto muito importante que nos dá confiança para o próximo jogo. Se comemoramos assim um empate, imagine o que vamos fazer em uma vitória", afirmou o treinador em entrevista coletiva após o empate.

Hallgrimsson revelou que esperava ver seu time pressionado - a Argentina terminou a partida com 72% de posse de bola. "Nós sabíamos que teríamos de suportar a pressão e ficar sem a bola. Conseguimos neutralizar as jogadas antes que elas nascessem. O nosso setor defensivo está de parabéns. Não demos espaço", disse o treinador.

O comandante mostrou o mesmo bom humor e descontração da véspera da partida, quando declarou que continuava trabalhando como dentista no início da entrevista coletiva. Neste sábado, ele afirmou que estava orgulhoso da torcida, que fez grande festa após o confronto, e lamentou que os islandeses não conseguissem comprar mais ingressos.

 

"Estou orgulhoso da nossa torcida. Foi muito difícil comprar ingressos. Não sei como os argentinos conseguiram comprá-los. Precisamos melhorar a distribuição para as próximas competições", afirmou o treinador.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.