Farah não comenta mudanças no Rio-SP

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Eduardo José Farah, prefere não falar nada sobre a eventual troca do Botafogo e Ribeirão Preto pelo São Caetano no torneio Rio-São Paulo de 2002. Na condição de virtual presidente na nova Liga Rio-São Paulo, Farah não pretende se pronunciar oficialmente antes do dia 4 de outubro, quando será oficializado no cargo.A assessoria do dirigente confirmou apenas que, na condição de presidente da FPF, Farah já indicou os nove prováveis representantes do Estado na competição. A própria relação não foi confirmada, mas teria os quatro grandes clubes - Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos - além de cinco convidados: Portuguesa de Desportos, Ponte Preta, Guarani, Etti Jundiaí e Botafogo. Preocupado com a nova entidade, Farah tem evitado a imprensa e até mesmo atender os dirigentes de clubes. Nesta quinta-feira ele não conversou com Ricardo Christiano Ribeiro, presidente do Botafogo, que está preocupado com a indefinição. A decisão, porém, sobre os 16 clubes participantes será tomada em assembléia geral entre os clubes fundadores. Além dos quatro grandes de São Paulo, seriam elevados à condição de fundadores os quatro grandes clubes do Rio: Flamengo, Vasco, Fluminense e Botafogo.Farah foi indicado pelos principais clubes do eixo Rio-São Paulo para assumir a Liga. Dia quatro de outubro acontece a fundação da entidade com um almoço na sede, na Avenida Brasil, em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.