Farah põe sigilos à disposição da CPI

O presidente da Federação Paulista de Futebol, Eduardo José Farah, colocou à disposição da CPI do Futebol seus sigilos bancário e fiscal, até então bloqueados por uma liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Farah também assegurou, aos senadores, que entregará à CPI, em 48 horas documentos relativos à compra de imóveis pela federação e à contratação de empresas prestadoras de serviços.O tom amistoso do depoimento de Farah foi quebrado depois que o dirigente reclamou do comportamento de um dos assessores da CPI, nominado por ele como Marco Polo, "que tem tido um comportamento incompatível com o cargo", segundo Farah, sem explicar as razões de sua reprimenda pública ao assessor da comissão.Mostrando profunda irritação com a repreensão pública de Farah, o relator da CPI, senador Geraldo Althoff (PFL-SC), manifestou "total apoio não apenas a Marco Polo, mas a todos os assessores da comissão. O trabalho da assessoria tem sido de total compatibilidade com a função da CPI. Até aqui, nossa assessoria tem se comportado de maneira irrepreensível", concluiu Althoff, mostrando irritação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.