Farah presidirá Liga Rio-São Paulo

O Campeonato Paulista de 2002 vai ser mesmo disputado sem a presença dos times da capital. A definição, segundo um dirigente ligado à Federação Paulista de Futebol (FPF), faz parte do acordo que definiu as bases da Liga Rio-São Paulo. O presidente da FPF, Eduardo José Farah, presidirá a Liga, com Carlos Augusto Montenegro, ex-presidente do Botafogo, como vice, e Mustafá Contursi, presidente do Palmeiras, como um dos diretores. A Liga já tem até sede. Um casarão foi alugado para essa finalidade na Avenida Brasil, nos Jardins. Enquanto 12 ou 16 clubes do interior estiverem participando do Paulistão (a definição acontecerá em assembléia), os grandes da capital estarão envolvidos no Rio-São Paulo, organizado pela Liga, entre os meses de janeiro e junho. Participarão nove times de São Paulo (Corinthians, Palmeiras, Santos, São Paulo, Portuguesa, Guarani, Ponte Preta, Etti e Botafogo, de Ribeirão Preto) e sete do Rio (Flamengo, Fluminense, Vasco, Botafogo, América, Bangu e Americano). O São Caetano, atual vice-campeão brasileiro, ficou fora do Rio-São Paulo. Para que a Liga seja formalizada, ainda falta a assinatura do Fluminense e a regulamentação por parte do governo. "O Fluminense já concordou em aderir à Liga", disse a fonte. O ministro dos Esportes, Carlos Melles, enviou à Casa Civil da Presidência da República uma minuta de decreto regulamentando o artigo 20 da Lei Pelé. Após a aprovação por parte da Casa Civil, o decreto será encaminhado para sanção presidencial. O projeto prevê que o mandato dos presidentes de ligas terá duração de três anos, permitida uma reeleição. O decreto também exige publicação de balanços e demonstrações contábeis e adoção de critérios de acesso e descenso. A Liga começará a negociar nas próximas semanas com a Globo Esportes, empresa que cuida dos interesses comerciais da Rede Globo, os direitos de transmissão do Rio-São Paulo. O valor pedido pelos dirigentes pelo torneio é algo em torno de R$ 80 milhões (cerca de US$ 30 milhões). Enquanto a Liga Rio-São Paulo começa a ganhar forma, os dirigentes de clubes não chegam a acordo para a formação da Liga Nacional. Em reunião na quarta-feira, em São Paulo, o Botafogo, do Rio, teria tentando incluir um representante na comissão que cuida do assunto, o que não foi aceito pelos demais participantes. Uma nova reunião acontecerá em Belo Horizonte, na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.