'Faremos o possível para renovar com Valdivia', diz Nobre

Presidente do Palmeiras diz que chileno está entre os melhores jogadores do Brasil e que sua vontade é prorrogar o contrato

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2014 | 14h49

O meia Valdivia tem contrato com o Palmeiras até agosto do ano que vem, mas o clube já inicia a negociação para renovar seu contrato. Após quase deixar o clube e ir jogar nos Emirados Árabes Unidos, em julho deste ano, o chileno vive um bom momento na equipe e o presidente Paulo Nobre deixou claro que, se depender de sua vontade, permanece com o jogador.

"Este Valdivia de 2013 e 2014, para mim, poderia encerrar a carreira no Palmeiras. É um jogador muito comprometido. Já disse diversas vezes que, se não é o melhor em atividade no Brasil em sua função, é um dos melhores. Disseram que a motivação dele era a Copa, mas ele é o mesmo jogador depois do Mundial", declarou o presidente palmeirense, em entrevista à Rádio Jovem Pan.

"Não sei o que aconteceu com ele. Talvez o respeito profissional da nossa gestão por ele tenha feito a diferença. Antes, ele era um problema e agora está recuperado, encanta a todos e, no que depender da nossa gestão, faremos o possível para renovar com ele", afirmou.

O jogador ainda não foi procurado para tratar do assunto. O fato é que tanto o clube como o atleta esperam para ver se chegará alguma proposta do exterior na abertura da janela de transferências. Recentemente, o chileno chegou a declarar, em entrevista coletiva, que torcia para que Paulo Nobre fosse reeleito. Wlademir Pescarmona, candidato da oposição, teve problemas com o jogador quando era dirigente. O ex-diretor de futebol já disse estar disposto a se reaproximar do chileno.

Apesar da boa fase, Valdivia ainda é dúvida para enfrentar o Bahia, domingo, em Salvador. Ele se recupera de um edema na região do quadril, em decorrência de um choque com o meia Elias durante o clássico com o Corinthians, no sábado passado.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPalmeirasPaulo NobreValdivia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.