Andrew Yates / Reuters
Andrew Yates / Reuters

Favorito, Casillas renuncia candidatura à presidência da Federação Espanhola

Ex-goleiro do Real Madrid alega que crise do coronavírus faz com que a eleição fique em segundo plano

Redação, Estadão Conteúdo

15 de junho de 2020 | 09h05

O ex-goleiro Iker Casillas anunciou nesta segunda-feira que não tem mais a intenção de se candidatar à presidência da Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF, na sigla em espanhol), considerando que a crise provocada pela pandemia da covid-19 deixa o assunto em segundo plano. O nome dele era visto como um dos favoritos para vencer as eleições neste ano.

"Decidi não me apresentar às próximas eleições da RFEF, recentemente convocadas. O principal motivo que me levou a tomar esta decisão é a excepcional situação econômica, social e sanitária que o nosso país vive e que faz com que as eleições passem para segundo plano", justificou Casillas, atualmente com 39 anos, em suas redes sociais.

Em um comunicado oficial divulgado em seu Twitter, o ex-goleiro de Real Madrid, Porto e seleção espanhola diz que este é um momento "de somar e não de dividir" e que as atenções devem estar em como ajudar jogadores, clubes e competições, algo que seria desgastado com eleições.

Casillas promete olhar para uma futura candidatura, mas reitera que este não é o momento certo. "Não é uma porta fechada ao futuro, queria realmente um processo eleitoral justo, transparente e participativo, tentando o melhor para o futebol espanhol. Mas neste momento não é essa a aposta. Espero que nas próximas eleições isso possa acontecer, comigo ou com outros candidatos", acrescentou.

O ex-goleiro, duas vezes vencedor da Eurocopa (2008 e 2012) e campeão da Copa do Mundo de 2010, na África do Sul, tinha anunciado em 17 de fevereiro que seria candidato à presidente da RFEF, cargo para o qual deveria concorrer em oposição ao atual presidente, Luís Rubiales.

Um dia depois, o presidente do Porto, Pinto da Costa, confirmou o fim da carreira do goleiro espanhol, que tinha chegado ao clube português na temporada 2015/2016 e parou de jogar em maio de 2019, depois de sofrer um ataque cardíaco durante um treinamento.

Entretanto, na última semana, a RFEF convocou as eleições para o próximo dia 17 de agosto, se o Conselho Superior do Desporto (CSD) concordar com a data, e em alternativa, caso não seja possível, marcou a data de 17 de setembro, levando agora Casillas a comunicar a sua desistência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.