Walter Bieri/EFE
Walter Bieri/EFE

FBI espera que Marin conte tudo o que sabe sobre acordos

Ex-presidente da CBF aguarda extradição para os Estados Unidos

Jamil Chade e Almir Leite, O Estado de S. Paulo

27 de junho de 2015 | 07h00

O FBI quer a colaboração de José Maria Marin para chegar a Marco Polo Del Nero, Ricardo Teixeira, aos esquemas que envolveram a Copa de 2014 no Brasil e até a empresas americanas suspeitas de terem pago subornos por anos subornos no futebol, como a Nike.

 

Neste sábado faz um mês que o ex-presidente da CBF foi preso em Zurique, acusado de corrupção, fraude e lavagem de dinheiro. E Marin ainda pode permanecer meses na prisão suíça. 

Na última sexta-feira, o portal estadao.com revelou que a Justiça do país rejeitou um apelo de um outro cartola (o uruguaio Eugenio Figueredo) para aguardar a extradição em prisão domiciliar, fechando as portas para as esperanças dos demais dirigentes, entre eles o brasileiro. 

O processo de extradição para os Estados Unidos deve ser iniciado apenas na semana que vem, quando os americanos repassarão aos suíços o pedido oficial para que Marin e os outros seis dirigentes detidos sejam transferidos para que sejam julgados. 

Se condenado, Marin, de 83 anos, pode pegar até 20 de prisão. Mas é acima de tudo com a colaboração de Marin que os americanos esperam contar, inclusive para permitir que sua pena seja substancialmente reduzida ou mesmo permutada por uma prisão domiciliar e multas milionárias. 

A demora pelo pedido oficial para que haja a extradição não ocorre por acaso. Os americanos tinham 40 dias para formalizar o processo, e devem esperar até o último minuto justamente para forçar os suspeitos a permanecer na cadeia e criar condições psicológicas para que aceitem colaborar. 

No dia 3 de julho os EUA devem apresentar o pedido de extradição. Mas um recurso não será possível imediatamente. Em primeiro lugar, os suíços precisarão de cerca de 20 dias para traduzir todos os documentos. Depois disso, um novo prazo vai ser estabelecido para que haja uma decisão por parte do Departamento de Justiça de Berna.

Nesse caso, se a posição for favorável à extradição, Marin poderá apresentar seu recurso, o que significa que começaria a ser considerado apenas em setembro. 

A situação de Marin foi agravada pelo fato de que foi abandonado na prisão suíça, sem falar inglês ou alemão e tendo de lidar sozinho com um advogado que, nos últimos dias, resolveu tirar férias no sul da Europa. “Todo mundo o abandonou”, disse uma pessoa próxima a Marin. “Se fosse eu, contaria tudo o que sei. Mas não é muito o perfil dele, não sei se fará isso.” Sua família não se pronuncia, mas vem defendendo que ele entregue todo mundo, principalmente Del Nero. 

O atual presidente da CBF abandonou Zurique no dia seguinte à prisão de Marin, retirou da sede da entidade o nome do suspeito e fez questão de se afastar de seu ex-chefe. A atitude foi vista como uma traição por parte da família de Marin, já que Del Nero participou de todas as negociações com ele desde que Teixeira deixou a CBF em março de 2012.

Para fontes no FBI, a situação é “ideal” para propor uma colaboração com Marin. A meta dos Estados Unidos é chegar ao topo da estrutura de corrupção no futebol, e não apenas nos cartolas presos. Mas para isso precisará contar com a ajuda de Marin e dos demais detidos. 

Fontes próximas às investigações apontaram que esperam de Marin informações sobre Del Nero e Teixeira, até agora não indiciados mas sob investigação. Os americanos também querem saber o que exatamente foi estabelecido no contrato entre a CBF e a Nike, uma empresa americana. 

Outro aspecto que os americanos querem explorar é a participação de Marin como presidente do Comitê Organizador Local da Copa. O FBI quer conhecer detalhes das negociações de contratos do Mundial de 2014, principalmente envolvendo empresas americanas, e sua relação com a cúpula da Fifa. 

Coca-Cola, Visa, Mastercard, Nike, redes de televisão e dezenas de outros fornecedores do mundo do futebol têm sede nos Estados Unidos, e a Justiça tenta identificar quem participou dessa estrutura corrupta por anos. Enquanto a oferta de delação premiada não chega, Marin foi forçado a trocar a vida de luxo que manteve ao longo de décadas por uma prisão comum, ainda que considerada uma das mais adequadas do mundo. 

Isolado, ele pode receber apenas uma visita por semana. Tem uma hora de caminhada por dia e está sem telefone nem internet. A comida servida é correta. Mas sem luxo, sem variedade nem álcool. 

O maior problema, segundo seus amigos, é o ânimo do cartola. “O contato é difícil. Pelo que sei, está bem de saúde. Ele foi atleta, tem saúde de ferro e não toma remédios contínuos. Mas o problema é psicológico. Tem 83 anos, está preso, sozinho. O Marin está se sentindo triste, abandonado. Pode entrar em depressão. Esse é o temor”, disse um amigo. 

ABANDONO

Amigos e parentes não têm escondido a revolta diante da atitude do governo de não dar assistência a Marin. “Ele é um cidadão brasileiro preso do exterior e o governo brasileiro não faz nada. Nem o Itamaraty nem o Ministério da Justiça”, disse um aliado. 

“Ninguém faz nada. Não entro no mérito se ele é culpado ou não, isso é para a Justiça. Mas no caso do brasileiro traficante na Indonésia, o governo fez até pedido oficial para tentar defendê-lo. Pelo Marin, nada. É inacreditável.” 

Marin, ex-governador durante a Ditadura, foi sempre desprezado pelo governo de Dilma Rousseff, presa nos anos 70 e torturada pela mesmo regime militar que colocou o cartola para comandar São Paulo. 

O Itamaraty tem outra versão. Segundo o consulado do Brasil em Zurique, a assistência é apenas prestada quando o cidadão a solicita.

“Nada nos foi solicitado por parte do detido”, declarou o consulado. “Só podemos agir quando há um pedido formal solicitando nossa colaboração.”

A NOVA VIDA DE MARIN

Cela 

Tem cerca de 9 metros quadrados. Contém cama, mesa, armário e cadeira. O banheiro é privativo. A cela é individual.

Direitos 

Uma hora de caminhada de ginástica por dia. Uma visita por semana. Sem acesso a internet ou celulares. Prisão tem computadores que podem ser alugados, mas sem internet.

Alimentação

É baseada em carne, massa, legumes, arroz e frutas.

Vestuário

Os presos não precisam usar uniforme.

Local 

Endereço da prisão não é divulgado, mas fica na região de Zurique. Cada um dos sete ex-dirigentes da Fifa está em ala separada.

Custo 

Todos têm direito de trabalhar em atividades da prisão. Marin custa por dia cerca de US$ 300 (R$ 900) ao contribuinte suíço.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.